PUBLICIDADE

Topo

GGWP

The Game Awards: premiação dos melhores do ano é um bom raio-x de 2020

The Game Awards 2020 premia melhores do ano no setor - Divulgação/The Game Awards
The Game Awards 2020 premia melhores do ano no setor Imagem: Divulgação/The Game Awards
Leo Bianchi

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CS:GO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e pro-player frustrado. No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, jogadores e novidades em geral.

Colunista do UOL

19/11/2020 09h00

Uma das premiações mais prestigiadas no ambiente dos games e esportes eletrônicos, o The Game Awards anunciou os finalistas em todas as suas categorias na última quarta-feira. Diversos títulos presentes no cenário competitivo ganharam destaque, assim como organizações, atletas e casters.

É possível interpretar muito de como 2020 se deu no que diz respeito à indústria por meio das indicações —do console ao PC, há diversos dados interessantes acerca de lançamentos e jogos já estabelecidos no cenário competitivo.

Não é novidade que o League of Legends sempre estará em qualquer premiação envolvendo esporte eletrônico. Isso aconteceu mais uma vez, de diversas formas.

Porém, a Riot Games teve diversos outros pontos interessantes nas indicações. A começar pelo Valorant —apontado nas categorias de melhor jogo multiplayer, melhor jogo de eSports e melhor apoio da comunidade. Legends of Runeterra, card game da empresa, luta como melhor jogo mobile, categoria em que chama atenção a ausência do Free Fire.

No caso do LoR, vale lembrar que é um game também jogado no PC. Aparecer entre os títulos para dispositivos móveis é uma vitória para a empresa, recém-inserida nesse cenário (primeiramente, com o auto battler TeamFight Tactics, o TFT) e de olho no lançamento do Wild Rift, a versão adaptada de League of Legends para celulares. A capacidade de adaptação a um universo 100% diferente do habitual à empresa se mostrou vitoriosa.

A concorrência pelo título de maior organização de eSports é bem diversa. A gigante europeia G2, presente em diversas modalidades tradicionais, é uma das indicadas —ao lado da sul-coreana DAMWON Gaming, campeã mundial de League of Legends, da San Francisco Shock (Overwatch) e da Dallas Empire - que venceu em 2020 a Call of Duty League, torneio que é símbolo da evolução do game da Activision enquanto modalidade competitiva. A premiação da campeã foi de US$ 1,5 milhão.

A competição de CoD também foi enquadrada na categoria melhor evento de eSports, onde o CS:GO ganhou destaque ao emplacar dois campeonatos: a IEM Katowice e a BLAST Premier Spring europeia. Chama a atenção a ausência do Six Invitational 2020, um evento histórico para o Rainbow Six Siege - que aconteceu presencialmente, antes do início da pandemia do coronavírus, com uma premiação histórica acima de US$ 3 milhões e um alto nível de engajamento por parte dos torcedores.

Fenômeno do ano, Fall Guys: Ultimate Knockout aparece em múltiplas categorias, como já era esperado. Após conquistar mais de dois milhões de usuários em apenas cinco dias após o lançamento, o game foi indicado a melhor jogo para a família, melhor jogo indie, melhor apoio da comunidade e melhor multiplayer - nesta última, brigando com outro grande destaque de 2020, o versátil e divertido Among Us, também apontado entre os melhores mobile.

Fall Guys - Divulgação/Mediatonic - Divulgação/Mediatonic
Fall Guys foi sucesso de público em 2020
Imagem: Divulgação/Mediatonic

Toda e qualquer premiação envolvendo games e eSports é extremamente importante para o mercado. Não porque ainda seja necessário para a legitimação perante o grande público, mas para ativar fatores como maior participação de marcas, patrocínios e eventuais outros interessados em integrar essa indústria - especialmente, marcas não endêmicas. Continuar crescendo é uma meta de todos e perfeitamente alcançável.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.