PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Denúncia de Calabresa: Globo confirma que caso está encerrado

Dani Calabresa e Marcius Melhem - Reprodução/Instagram
Dani Calabresa e Marcius Melhem Imagem: Reprodução/Instagram
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

20/01/2022 04h05

"O assunto abordado na matéria Globo "arquiva" denúncia de Calabresa contra Melhem se encerrou em 2020 e não há qualquer fato novo a respeito. A Globo não comenta assuntos de compliance nem sobre processos em curso.

Assina: Central Globo de Comunicação.

Assim a TV Globo declarou ontem em nota oficial enviada a esta coluna, que vem investigando a denúncia desde janeiro de 2021.

"Compliance" não é Justiça

Ao contrário do que muita gente ainda pensa (erradamente) e postou ontem em comentários nas redes sociais, o "arquivamento" por parte da Globo não tem absolutamente nada a ver com a Justiça.

Trata-se de uma sindicância ou investigação interna, com convite ou convocação de testemunhas dentro da própria emissora, por meio de seu departamento de "compliance" (setor criado em várias empresas a partir de 2017 após repetidas acusações de assédio moral e sexual ao redor do mundo).

O setor também pode eventualmente apurar acusações de desvios financeiros ou irregularidades administrativas nas empresas. Grosso modo, é uma Ouvidoria com poder de auditoria, que pode requisitar trocas de mensagens, e-mails com "grife" da companhia e memorandos internos. Pode até gravar ou filmar depoimentos durante investigações, caso queira.

A Globo foi uma das pioneiras da implantação do departamento no Brasil.

Dito isso, o resultado de qualquer investigação só diz respeito à EMISSORA (ou empresa).

A investigação interna não sai de dentro da casa e, resumindo, ela não deve satisfações à sociedade. É um mecanismo de aprimoramento corporativo, e não um órgão público.

No caso, a Globo iniciou suas investigações em dezembro de 2019, após denúncia da humorista Dani Calabresa contra seu ainda chefe, Marcius Melhem.

Uma outra atriz global se juntou a ela e também denunciou Melhem por assédio sexual e moral.

Melhem também teve de depor

Durante a investigação, Melhem também teve de depor, negou todas as acusações e ainda apresentou provas materiais de que não só não havia assediado Calabresa como até teria tido um "affair" com ela.

Disse mais e comprovou (por meio de troca de mensagens de celular) que essa segunda atriz, que também o havia acusado de assédio sexual, foi seu caso extraconjugal por quase dois anos.

Provou ainda que a atriz chegou a fazer uma viagem internacional para lhe fazer "surpresa" (ele estava em Las Vegas).

Por fim, um artista da Globo que confirmou as acusações de Calabresa contra Melhem, foi Marcelo Adnet, ex-marido da humorista. Ele confirmou à coluna que foi depor e apoiou a atriz.

Naquele momento eles haviam recentemente terminado o casamento por meio de uma ação litigiosa após um escândalo na vida privada do ator e humorista.

Como está o caso hoje

Uma Ouvidoria do Ministério Público em São Paulo vem colhendo depoimentos desde janeiro de 2021, após a publicação da reportagem investigativa da revista "piauí" cerca de um mês antes.

A reportagem foi o rastilho que levou à abertura da investigação inicial pelo MP. Até o momento, segundo esta coluna apurou, ao menos 9 atrizes depuseram sobre o caso..

As mesmas duas profissionais que foram ao "compliance" da Globo voltaram a fazer acusações formais de assédio sexual na Ouvidoria: Calabresa e a outra atriz que namorou Melhem.

Uma terceira atriz global também confirmou a denúncia contra o ex-diretor, mas antes já havia declarado que só soube da denúncia após Calabresa lhe informar (isso no início de 2019), o que só ocorreu depois que a humorista foi afastada compulsoriamente projeto do programa "Fora de Hora".

Essa atriz em questão ainda acusou Melhem de ter assediado sexualmente uma terceira colega global. Essa colega, famosíssima atriz, foi convocada pela ouvidoria e se tornou a 9ª depoente do caso.

Essa atriz negou o assédio e reafirmou que trabalharia novamente com o ex-diretor da Globo "a qualquer momento".

Mas, a Ouvidoria ou o MP também não são a Justiça.

Quando terminar a acolhida de depoimentos, a Ouvidoria enviará o processo para o MP do Rio e para a Justiça do Rio. Não há prazo para o término das investigações.

Outros dois processos

O caso ainda rendeu mais dois processos (além dos que o ex-diretor Melhem moveu contra humoristas e jornalistas):

1) Um de Melhem contra Calabresa, no qual ele pede indenização de R$ 300 mil dela, por injúria, calúnia, difamação e danos morais e materiais, como o site F5 informou

2) Outro de Calabresa contra Melhem, no qual ela pediu (e teve o pedido aceito) de proibição a Melhem de divulgar publicamente mensagens de Whatsapp dela para ele.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops