PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Expedição brasileira vai filmar topo do Everest com câmeras 360 graus

Karina Oliani durante escalada pela face Sul do Everest em 2013, que também foi exibida pelo "Fantástico" - Pitaya Filmes/Divulgação
Karina Oliani durante escalada pela face Sul do Everest em 2013, que também foi exibida pelo "Fantástico" Imagem: Pitaya Filmes/Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

10/04/2017 08h05Atualizada em 10/04/2017 08h05

Uma expedição brasileira segue rumo ao topo do Everest ainda este mês (dia 29). A equipe tem uma segunda meta ambiciosa, além de escalar a maior montanha do mundo: o grupo planeja filmar o topo da maior montanha do mundo em 360 graus.

Um matéria especial sobre a subida --que pode até dois meses ou mais--, será exibida com exclusividade no “Fantástico” (Globo), provavelmente no próximo semestre. A expedição é comandada pela médica, apresentadora e praticante de esportes radicais Karina Oliani.

Karina vai subir a montanha pela segunda vez. Em 2013 ela escalou o Everest pela face Sul --pelo Nepal-- e levou 55 dias.

Dessa vez a expedição --de apenas quatro pessoas, sendo dois "sherpas" (guias) e mais um cinegrafista-- subirá pela face Norte: pelo Tibete.

Atualmente Karina é contratada do “Fantástico”, mas já fez trabalhos para o “Esporte Espetacular” (Globo), canal OFF (Globosat),  para a Record (“Esporte Fantástico”) e o canal Discovery, onde, no ano passado, foi uma das duas guias do reality-show “Desafio Celebridades”(que teve Fabio Porchat, Maria Paula e Bob Burnquist, entre outros convidados).

A expedição é uma parceria entre a Pitaya Filmes (de Oliani), o “Fantástico”, e tem patrocínio das balas Halls. A equipe já está no Nepal. No final do mês farão a travessia para o Tibete e, de lá, rumo ao Everest.

Karina Ragazzo Oliani é um prodígio dos esportes radicais. Aos 12 anos saltou pela primeira vez de pára-quedas, e com a mesma idade já concluiu um curso de mergulho.

"Eu sou assim. Essa é minha essência", afirma ela, que é médica especializada em resgates em regiões de difícil acesso. Ah, e também sabe pilotar helicópteros.

@feltrinoficial

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL