PUBLICIDADE
Topo

Johnny Depp x Amber Heard: sem veredito, júri retoma deliberação na terça

Johnny Depp e Amber Heard protagonizam julgamento que durou 47 dias - Alison Buck / Getty Images
Johnny Depp e Amber Heard protagonizam julgamento que durou 47 dias Imagem: Alison Buck / Getty Images

De Splash, em São Paulo

27/05/2022 19h48

O veredito do julgamento no processo entre Johnny Depp e Amber Heard não foi anunciado hoje. O júri iniciou as deliberações após as últimas audiências, mas foi dispensado e voltará a discutir a questão na próxima terça-feira.

As informações foram divulgadas pelo jornal Washington Post. Após cerca de duas horas de discussão, os jurados não chegaram a uma conclusão para encerrar o caso ainda hoje.

As deliberações foram iniciadas após os argumentos finais da defesa dos artistas, que duraram cerca de quatro horas. O julgamento envolvendo o ex-casal durou 47 dias.

Johnny Depp e Amber Heard no tribunal - Jim Lo Scalzo/Pool via Reuters - Jim Lo Scalzo/Pool via Reuters
Johnny Depp e Amber Heard no tribunal
Imagem: Jim Lo Scalzo/Pool via Reuters

Como foram os últimos posicionamentos?

Camille Vasquez, advogada do ator, afirmou diante dos jurados que, ao processar Depp por difamação, Heard precisa "provar que suas alegações de abuso não são falsas", diz o relato do jornal Deadline.

A defesa do artista também argumentou que as histórias expostas por Heard estavam "constantemente mudando ao longo do julgamento", com alterações entre versões de supostos abusos.

Em sua declaração final, Vasquez afirmou que a ex-mulher de Johnny Depp está tentando não passar uma imagem de "mentirosa" ao fim do processo. "Há um agressor neste tribunal, mas não é o Sr. Depp. A senhorita Heard é, de fato, que cometeu abusos".

A defesa de Amber Heard, liderada por Ben Rottenborn, pediu que o júri defenda as vítimas de abuso doméstico e a liberdade de expressão em sua decisão final.

"Todo o caso é sobre culpar Amber Heard por coisas que ela não fez", argumentou o advogado da protagonista de "Aquaman". Rottenborn reforçou que os supostos abusos de Johnny Depp foram muito além da questão física, mas sim, principalmente, envolvendo agressões verbais e emocionais.

Entenda o caso

A batalha começou no início de abril e alguns fatos já chamaram atenção: Depp disse que Heard colocou fezes na cama do casal, enquanto a atriz acusou o ex de tê-la agredido sexualmente com uma garrafa.

O ex-casal, que se conheceu em 2012, nas gravações de "O Diário de um Jornalista Bêbado", teve um destino longe de final feliz de filme romântico. Firmado em 2015, o casamento durou 15 meses.

Desde então, há seis anos, a vida privada dos dois se tornou pública e ganhou protagonismo: eles aparecem na imprensa do mundo inteiro trocando acusações, enquanto seus feitos no cinema são meros coadjuvantes.

Em maio de 2016, Amber Heard deu entrada no divórcio e acusou Johnny Depp de violência doméstica. Já no fim de 2018, ela publicou um artigo no jornal norte-americano The Washington Post. Depp nem foi citado, mas os relatos contados pela atriz rapidamente foram associados a ele. Este é o julgamento que está em curso, e o ator pede US$ 50 milhões, aproximadamente R$ 250 milhões.

Heard está processando Depp também, numa ação em que pede US$ 100 milhões, o equivalente a R$ 500 milhões.

Os depoimentos

Heard alega que Depp abusou sexualmente dela repetidas vezes e que, durante o relacionamento, ela temeu por sua vida.

Questionada pela advogada de Depp, Camille Vasquez, sobre as acusações de agressão física e por qual motivo não existem registros médicos, Heard disse que não consegue se lembrar dos fatos em ordem cronológica.

A atriz reconheceu que não procurou ajuda médica para nenhum dos supostos ferimentos causados por Depp, mas afirma que eles de fato aconteceram e que o astro de Hollywood foi o responsável.

Heard disse que foi prejudicada na carreira através de ações orquestradas pelo ex-marido. Ela declarou que Depp liderou uma "campanha difamatória" contra ela por meio de sua rede de relações em Hollywood, iniciativa que teria resultado, inclusive, na redução de sua participação na continuação do longa "Aquaman".

Por outro lado, Depp alegou que o sangue era "a única coisa que ainda tinha" diante do desgaste com as constantes discussões no casamento. Ele disse que chegou a oferecer uma faca para a ex-mulher.

Depp alega que parte do seu dedo foi arrancada quando Amber Heard quebrou uma garrafa de vodka sobre sua mão durante uma briga na Austrália, em 2015.

Um cirurgião ortopedista alegou não acreditar na versão de Johnny Depp sobre como seu dedo foi mutilado, enquanto outro médico afirmou acreditar que a lesão no dedo do ator aconteceu devido a uma garrafa de vodka quebrada, conforme descrito por Depp.

Quando questionado sobre ter atitudes violentas com ex, Depp respondeu que as acusações são "insanas".

Enquanto a atriz Ellen Barkin, ex-namorada de Depp, disse que o ator era controlador e ciumento em um depoimento gravado e exibido no tribunal, a modelo Kate Moss negou que ele a teria empurrado de uma escada.