PUBLICIDADE
Topo

Zé Ramalho cancela participação em álbum de Sérgio Reis

Zé Ramalho anuncia que não estará em álbum de Sérgio Reis e desautoriza uso de sua música - Reprodução/Instagram
Zé Ramalho anuncia que não estará em álbum de Sérgio Reis e desautoriza uso de sua música Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para Splash, no Rio

21/08/2021 20h47

O cantor Zé Ramalho, de 71 anos, anunciou hoje que não participará mais do novo álbum do cantor Sérgio Reis, de 81 anos, e desautorizou o uso de sua música "Admirável Gado Novo" pelo sertanejo, segundo a coluna de Ancelmo Gois no jornal O Globo.

Embora o artista Zé Ramalho tenha participado como convidado na gravação da canção 'Admirável Gado Novo', no disco do cantor Sérgio Reis em maio de 2019, agora em 2021 a gravação perdeu o sentido e tanto o compositor quanto sua editora não autorizarão a utilização da obra. Zé Ramalho em nota

Além do paraibano, nomes como Maria Rita e Guilherme Arantes também anunciaram suas desistências nesta semana e não farão participações no novo disco de Sérgio Reis.

Entenda o caso

Um áudio e um vídeo que circularam nas redes sociais no último fim de semana levaram o cantor Sérgio Reis a integrar também o noticiário político. Nas gravações, o ex-deputado apareceu convocando uma greve nacional de caminhoneiros contra os 11 ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) — alvo constante do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem Reis é aliado.

A promessa de paralisação dos caminhoneiros ganhou força nas redes sociais no domingo (15). Pelas mensagens postadas, os profissionais deverão cruzar os braços em 7 de Setembro, Dia da Independência, em um movimento que engrossaria outras manifestações públicas já programadas a favor do governo.

Lideranças dos caminhoneiros, no entanto, dizem que o cantor não os representa. Já o Ministério da Infraestrutura, nos bastidores, não leva a mobilização a sério.

Ontem, a PF (Polícia Federal) cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao cantor Sérgio Reis.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). O objetivo, segundo a PF, é apurar se o cantor cometeu o crime de incitar a população a praticar "atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes".