PUBLICIDADE
Topo

Mario Frias diz que investigação contra Sergio Reis 'compromete cultura'

O secretário especial da Cultura, Mário Frias - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
O secretário especial da Cultura, Mário Frias Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

De Splash, em São Paulo

20/08/2021 16h16

O secretário especial da Cultura do governo Jair Bolsonaro (sem partido), Mario Frias, opinou sobre a investigação envolvendo o cantor sertanejo Sergio Reis.

No Twitter, ele afirmou que "quando um artista da relevância e da importância do Sérgio Reis é tratado como uma ameaça ao Estado de Direito, isso compromete a cultura nacional, pois não há cultura artística sem liberdade."

Deus proteja nossa nação. finalizou Mario Frias

Entenda o caso

Um áudio e um vídeo que circularam nas redes sociais no último fim de semana levaram o cantor Sérgio Reis a integrar também o noticiário político. Nas gravações, o ex-deputado apareceu convocando uma greve nacional de caminhoneiros contra os 11 ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) — alvo constante do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem Reis é aliado.

A promessa de paralisação dos caminhoneiros ganhou força nas redes sociais no domingo (15). Pelas mensagens postadas, os profissionais deverão cruzar os braços em 7 de Setembro, Dia da Independência, em um movimento que engrossaria outras manifestações públicas já programadas a favor do governo.

Lideranças dos caminhoneiros, no entanto, dizem que o cantor não os representa. Já o Ministério da Infraestrutura, nos bastidores, não leva a mobilização a sério.

Hoje, a PF (Polícia Federal) cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao cantor Sérgio Reis.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). O objetivo, segundo a PF, é apurar se o cantor cometeu o crime de incitar a população a praticar "atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes".