PUBLICIDADE
Topo

Globo de Ouro: Black Lives Matter é 'movimento de ódio racista', diz membro

Globo de Ouro: votante encaminhou e-mail criticando "Black Lives Matter" - Frazer Harrison/Getty Images
Globo de Ouro: votante encaminhou e-mail criticando 'Black Lives Matter' Imagem: Frazer Harrison/Getty Images

De Splash, em São Paulo

20/04/2021 09h09

Um membro da HFPA (Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, na sigla em inglês), instituição que vota nos indicados e vencedores do Globo de Ouro todos os anos, encaminhou um e-mail aos colegas, no último domingo, caracterizando falsamente o Black Lives Matter como "um movimento de ódio racista".

O Black Lives Matter ("Vidas Negras Importam", em tradução livre) é responsável por organizar e liderar vários dos protestos antirracistas que ocorrem nos EUA há anos, mais frequentemente desde o assassinato de George Floyd em 2020.

De acordo com o The Hollywood Reporter, o e-mail encaminhado por Philip Berk, de 88 anos, ainda criticava uma das fundadoras do movimento Black Lives Matter, Patrisse Cullors, por supostamente comprar uma casa no Topango Canyon.

"A propriedade se localiza na mesma rua de uma das casas envolvidas nos assassinatos de Charles Manson, o que é apropriado, já que o objetivo dele era começar uma guerra racial. Este trabalho é continuado pelo Black Lives Matter hoje em dia", dizia um trecho do texto.

O conteúdo do e-mail foi rapidamente condenado por outros membros da HFPA como racista, "vil" e "não apropriado". Um dos votantes chamou Berk, pessoalmente, de "uma desgraça estrondosa" para a instituição.

14.12.2010 - Philip Berk em evento do Globo de Ouro, em Beverly Hills (EUA) - Michael Tran/FilmMagic - Michael Tran/FilmMagic
14.12.2010 - Philip Berk em evento do Globo de Ouro, em Beverly Hills (EUA)
Imagem: Michael Tran/FilmMagic

O jornalista foi motivo de problemas para a HFPA antes. Berk, que já serviu como presidente da instituição, foi acusado pelo ator Brendan Fraser de assédio: segundo o astro de "A Múmia", o jornalista apalpou o seu bumbum sem permissão durante um evento do Globo de Ouro.

Na ocasião, em 2018, a HFPA chegou a dizer que estava investigando a acusação, mas nenhuma ação foi tomada contra Berk.

O novo escândalo chega em momento delicado para a instituição, que está sob pressão desde que foi revelado, em fevereiro, que o Globo de Ouro não tem nenhum votante negro. A HFPA anunciou medidas para aumentar a diversidade, mas elas foram consideradas insuficientes por ativistas.

Awkwafina com seu Globo de Ouro por 'A Despedida', em 2020 - Mike Blake/Reuters - Mike Blake/Reuters
Awkwafina com seu Globo de Ouro por 'A Despedida', em 2020
Imagem: Mike Blake/Reuters