PUBLICIDADE
Topo

WandaVision começa muito bem e caminha para ser obra mais ousada da Marvel

Wanda e Visão em 'WandaVision'
Wanda e Visão em 'WandaVision'
Divulgação/Disney

Beatriz Amendola

De Splash, em São Paulo

14/01/2021 14h00

Já faz um ano e meio que "Homem-Aranha: Longe de Casa" estreou nos cinemas. Desde então, não havíamos visto nenhuma produção inédita da Marvel. Culpa, principalmente, da pandemia de covid-19, que bagunçou os calendários do cinema e da TV no mundo tudo.

Mas agora dá para matar as saudades do MCU, o Universo Cinematográfico da Marvel, com "WandaVision", que estreia amanhã no Disney+, com dois episódios.

E já dá para dizer: é uma bela escolha para dar aquele pontapé nas séries e filmes de herói em 2021.

Continua depois da publicidade

Bom começo

A Disney só liberou para a imprensa três dos nove episódios de "WandaVision", então ainda não é possível fazer uma avaliação completa da série.

Mas uma coisa dá para afirmar com certeza: ela começa muito bem.

Criada por Jac Shaeffer (que também escreveu o roteiro do ainda inédito filme da Viúva Negra), a série traz Wanda, a Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), e Visão (Paul Bettany) vivendo uma vida tranquila nos subúrbios. É uma boa mudança para o casal que sofreu tanto nos filmes do MCU.

Divulgação/Disney - Divulgação/Disney
Imagem: Divulgação/Disney

A história é contada em uma estrutura que remete a grandes clássicos da TV.

Impossível não se lembrar de séries como "A Feiticeira" (1964-1972) e "Jeannie É um Gênio" (1965-1970) logo nos primeiros episódios, por exemplo.

Continua depois da publicidade

Mas não se trata de uma cópia: "WandaVision" faz uma homenagem sincera a essas produções, realmente abraçando o gênero sem qualquer vergonha.

Divulgação - Divulgação
Barbara Eden e Bill Daily em cena de 'Jeannie é um Gênio'
Imagem: Divulgação

O resultado é uma série que, surpreendentemente, é muito engraçada.

E tanto Elizabeth Olsen quanto Paul Bettany se entregam completamente a esse humor e ao estilo de atuação diferente, mais performático, exigido deles. É uma delícia ver os dois em cena.

Fica ainda um elogio para Kathryn Hahn como Agnes, uma vizinha intrometida (e hilária).

Kathryn Hahn em 'WandaVision' - Divulgação/Disney - Divulgação/Disney
Imagem: Divulgação/Disney

Ousadia

O clima de sitcom de família é quebrado pontualmente, com momentos que dão a impressão de existir uma "falha na Matrix" do mundo perfeito em que Wanda e Visão estão (e é tudo o que dá para falar agora sem entrar em spoilers).

Continua depois da publicidade

Por trás das risadas, é inevitável o sentimento de que algo está errado ali. Muito porque, como já sabemos, Visão morreu (de vez) em "Vingadores: Guerra Infinita".

"WandaVision", porém, não parece ter pressa de entregar seus mistérios de uma vez (e nem precisa).

Divulgação/Marvel Studios - Divulgação/Marvel Studios
Imagem: Divulgação/Marvel Studios

Não deixa de ser uma aposta interessante para a Marvel, que agora parece estar investindo fundo em uma estrutura narrativa bem mais ousada do que aquela que consagrou seus filmes —um passo necessário para se reinventar depois de mais de 20 produções bem-sucedidas nos cinemas.

Em resumo...

Sim, "WandaVision" é diferente de tudo o que a Marvel já fez (e se você quiser ler outra opinião sobre a série, o colunista Roberto Sadovski também escreveu sobre). E isso é bom.

Estou curiosa para ver o resto! Enquanto eles não chegam, veja as séries que queremos muito ver este ano!