PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'As Verdades' traz Lázaro Ramos em trama policial pouco eficiente

Lázaro Ramos em "As Verdades" - Gullane
Lázaro Ramos em 'As Verdades' Imagem: Gullane
só para assinantes
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

01/07/2022 04h00

Em uma cidade de interior da Bahia, o delegado Josué (Lázaro Ramos) tenta elucidar a tentativa de assassinato de um empresário/político local. Ao ouvir relatos de um matador de aluguel, da noiva do empresário e da própria vítima, ele tenta montar um quebra-cabeças do qual termina por fazer parte.

"As Verdades", entretanto, não é sobre o crime. Ao costurar as três versões do acontecido, o diretor José Eduardo Belmonte busca traçar uma história sobre a violência contra a mulher. Temas profundos, desperdiçados em um filme que nunca encontra seu foco.

O maior problema aqui é o texto confuso, que confunde profundidade com obviedades. São arquétipos no lugar de personagens, embolados em uma trama que se atropela sem fazer sentido. Quando chegamos ao terceiro relato, pouca coisa dos dois anteriores se encaixam na intenção de cada personagem.

Ainda assim, Belmonte consegue boas sacadas ao longo da narrativa. Inspirado pelo conto japonês "Dentro de Um Bosque", que por sua vez deu origem ao clássico "Rashomon", de Kurosawa, "As Verdades" segura a atenção por sua premissa, antes de o caldo entornar no terceiro ato.

Filmado com dinamismo e beleza, "As Verdades" tem um elenco liderado por Lázaro Ramos que deixa a bola no jogo. Bianca Bin tenta colocar alguma gordura no papel da noiva bem mais jovem do tal empresário - papel de José Carlos Machado, que honestamente não tem muito o que fazer em cena. Drica Moraes, por sua vez, é a MVP da empreitada, com uma interpretação que, aí sim, traz as camadas que o filme demanda.

O cinema brasileiro precisa de filmes que quebrem o eixo de produção e mostrem várias faces do Brasil sem mergulhar nos estereótipos. "As Verdades" é uma tentativa honesta de criar um thriller de subtexto poderoso em uma ambientação que expande o escopo da produção nacional. Dessa vez, entretanto, o resultado ficou nas boas intenções.