PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

Glow, Ninguém Tá Olhando: Por que a Netflix cancela algumas séries tão cedo

Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

08/10/2020 18h48

Alguns dias atrás, a festejada série "Glow" foi guilhotinada pela Netflix, não sendo renovada para mais uma temporada. O choro dos fãs não tem efeito. A criação de Liz Flahive e Carly Mensch foi interrompida sem piedade e não deve retornar. É o mesmo destino de tantos outros programas, limados muitas vezes sem o tempo de maturação necessário para encontrar seu público. Neste século supersônico, "tempo" é o bem mais precioso. E dinheiro também.

É uma equação que a Netflix abraça de forma pragmática. "Sense 8" saiu do ar assim, bem como "Altered Carbon", "The Dark Crystal" e "Turn Up Charlie". A série brasileira "Ninguém Tá Olhando", única produção nacional da plataforma de streaming a conseguir uma indicação ao Emmy Internacional, não foi renovada além de sua temporada de estreia. É um mundo cruel.

Netflix glow - Netflix - Netflix
Alison Brie em 'GLOW'
Imagem: Netflix

No fim, tudo se resume a dados. A Netflix trabalha com parâmetros diferentes da norma que a televisão operou desde sua concepção. É uma equação pragmática que resume-se na relação entre audiência e custos. Como a empresa assume por inteiro o orçamento de todas as suas produções, e não existe um mercado posterior para recuperar estes gastos (publicidade em intervalos comerciais, venda para outras mídias em feiras mundiais), o sucesso imediato, que precisa sair da esfera dos fãs e conquistar novos assinantes, é prioridade.

Não significa que seja justo. Conversei com Daniel Rezende, criador de "Ninguém Tá Olhando", que encara a não renovação da série com um olhar agridoce. "O Brasil e o resto do mundo funcionam em sintonias diferentes", explicou. "A série foi superbem, só que a renovação de séries em streaming depende de mil fatores." Ele continua: "Depende da época. Se fosse um ano antes, ou mesmo agora, talvez tivesse sido renovada. É como o mercado funciona".

Netflix angelus - Netflix - Netflix
Victor Lamoglia em 'Ninguém Tá Olhando'
Imagem: Netflix

"Ninguém Tá Olhando" acompanha Uli (Victor Lamoglia), um angelus novo no sistema celestial que protege e guia a humanidade. Sua natureza rebelde, porém, quebra os padrões desse mesmo sistema, colocando em risco o funcionamento da própria humanidade. É uma série divertida e bem produzida, qualidade confirmada pela indicação ao Emmy. "Acho difícil uma renovação a essa altura", confessa Rezende. "Ah não ser que a gente ganhe, aí pinta um fôlego para a gente conversar." Dedos cruzados"

Em minha coluna em vídeo da semana eu falo justamente sobre o pragmatismo por trás da não renovação de uma série como "Ninguém Tá Olhando". Explico também como a Netflix trabalha essa relação entre audiência e custos e como funciona a engrenagem que determina a degola de um programa. Por mais que seus fãs sejam fiéis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL