PUBLICIDADE
Topo

Chico Barney

BBB 21: O Brasil precisa agora de um paredão entre Juliette e Sarah

Sarah e Juliette (Foto: Reprodução/Globo) - Reprodução / Internet
Sarah e Juliette (Foto: Reprodução/Globo) Imagem: Reprodução / Internet
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Colunista do UOL

25/03/2021 01h09

Uns dias chove, noutros bate o sol. Mas as coisas não vão muito bem aqui no Brasil já faz um tempo.

O começo do BBB 21 foi muito bem-sucedido na missão de alienar a sociedade com tramas densas, dignas das piores fases do Supercine. O tempo passou, os maiores polarizadores caíram fora e o clima arrefeceu.

Durante algumas semanas, imagine só a falta de assunto, o maior destaque do programa foi a dramédia protagonizada por Carla Diaz, Arthur e Projota. Sobrou só um vértice desse triângulo, e graças a Deus as narrativas paralelas puderam seguir em frente.

Lembra quando o diretor Michael Mann colocou Al Pacino e Robert De Niro em um mesmo filme, muitos anos depois de O Poderoso Chefão II? Fogo Contra Fogo (1995) resume, de certa forma, a trama que ocupa o reality neste momento.

Juliette é a investigadora que pretende descobrir todas as minúcias por trás das engrenagens que fazem o jogo andar. E Sarah é quem conspira, ajudando a criar esse fascinante clima de gato e rato que mobiliza as redes sociais.

Seria muito bom ter a oportunidade de prestigiar um paredão entre as duas. A inevitável eliminação de Sarah aceleraria demais alguns processos dentro da casa, mas garantiria para nós uma certa catarse em ótima hora.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.