PUBLICIDADE
Topo

Chico Barney

WandaVision desafia paciência dos fãs com mais enigmas do que história

O Lineuzinho e a Dona Nenê do MCU  - Reprodução / Internet
O Lineuzinho e a Dona Nenê do MCU Imagem: Reprodução / Internet
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Colunista do UOL

25/01/2021 00h36

Está disponível desde sexta-feira o terceiro episódio de WandaVision no Disney+. Com pouca oferta de conteúdo inédito, o streaming lança suas séries semanalmente, diferente das temporadas completas que se tornaram tradicionais na Netflix.

Tenho a impressão que o formato de distribuição atrapalha a experiência com a série. Mesmo quem segue cheio de boa vontade com a Feiticeira Escarlate deve estar um pouco frustrado com a parcimônia na hora de contar alguma história.

Passado um terço da obra, ainda não há qualquer clareza sobre o que estamos assistindo. Existem alguns indícios, baseados em quadrinhos que supostamente inspiraram o programa, de que Wanda está usando seus poderes de manipulação da realidade para superar o estresse pós-traumático devido ao assassinato de Visão no penúltimo filme dos Vingadores.

Só que até isso é especulação. Cada episódio vai plantando vários enigmas em um emaranhado que até parece uma história, mas não chega a ser. Está claro que tudo foi pensado milimetricamente para render pauta em canais do YouTube que gostam de explicar teorias e traçar possíveis caminhos para o roteiro.

Isso é uma tendência fortíssima desde Lost, mas naquela época dava certo por conta da boa construção dos personagens. WandaVision não chega nem perto disso, e vai se estabelecendo como o extra de DVD mais caro de todos os tempos.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.