PUBLICIDADE
Topo

Arte Fora do Museu

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Do jardim para o ferro-velho e de volta ao jardim

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Lavignatti

Colunista do UOL

19/05/2022 15h12Atualizada em 19/05/2022 15h12

Marjorie Tallchief foi uma bailarina americana de raízes indígenas, da Nação Osage. Ela foi a primeira nativa americana a ser nomeada primeira bailarina no Balé da Ópera de Paris. Marjorie morreu no ano passado, mas foi eternizada em uma escultura na cidade de Tulsa, nos EUA. No mês passado, a homenagem desapareceu, para ser achada agora em pedaços em ferros-velhos locais.

Tallchief e sua irmã, Maria Tallchief, estavam entre cinco renomadas bailarinas nativas americanas de Oklahoma conhecidas como Five Moons e uma estátua de bronze de cada uma foi inaugurada do lado de fora do museu de Tulsa em 2007. A escultura de Marjorie desapareu no último dia 28 e não havia pistas sobre o que havia acontecido.

Parte das esculturas Five Moons - Peter Greenberg/CC - Peter Greenberg/CC
Parte das esculturas Five Moons
Imagem: Peter Greenberg/CC

Até agora, quando as peças suficientes de bronze foram recuperadas e identificadas como a escultura que havia sumido. Porém, ainda faltam peças da estátua que foi destruída. A cabeça, pernas e um braço ainda faltam ser encontrados.

Um dos escultores do original, Gary Henson, já se prontificou em restaurar as partes que não foram encontradas para que ela volte a fazer companhia paras as outras bailarinas.

Um atentado a uma obra de arte gera discussões sobre os motivos que levaram a tal ataque. Uma mulher indígena tendo sua homenagem retirada e desmanchada tem uma força muito grande para passar batido. Ainda não foram identificados os autores nem seus motivos, mas causa espanto esse crime acontecer justamente em uma cidade que tem em seu histórico um massacre racial acontecido em 1921.