PUBLICIDADE
Topo

Israel proíbe voos de passageiros para conter propagação de covid-19

Calçadão de Tel Aviv - Getty Images
Calçadão de Tel Aviv Imagem: Getty Images

Maayan Lubell

24/01/2021 14h51

Israel vai proibir voos de passageiros dentro e fora do país a partir da noite de segunda-feira por uma semana, com o objetivo de impedir a disseminação de novas variantes do coronavírus.

"Além de raras exceções, estamos fechando o céu hermeticamente para evitar a entrada de variantes do vírus e também para garantir um progresso rápido de nossa campanha de vacinação", disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em declarações públicas no início de uma reunião de gabinete.

A proibição entrará em vigor a partir de segunda-feira e durará até o final de janeiro, disse um comunicado do escritório de Netanyahu.

As fronteiras do país foram em grande parte fechadas para estrangeiros durante a pandemia, com permissão de entrada apenas para portadores de passaporte israelense.

Também neste domingo, Israel expandiu sua campanha de vacinação para incluir determinados jovens. As vacinas foram inicialmente limitadas a idosos e outras categorias de alto risco, mas agora estão disponíveis para qualquer pessoa com mais de 40 anos ou - com permissão dos pais - aqueles entre 16 e 18 anos.

A inclusão de adolescentes tem como objetivo "permitir seu retorno (à escola) e a realização ordenada de exames", disse a porta-voz do Ministério da Educação.

Israel concede um certificado de matrícula a alunos do ensino médio da 10ª à 12ª série que passam nos exames, administrados pelo Ministério da Educação, que desempenham um papel importante na aceitação nas universidades. Eles também podem afetar a colocação nas forças armadas, onde muitos israelenses cumprem o serviço obrigatório após o ensino médio.

Israel tem a taxa de distribuição de vacinas mais rápida do mundo. Com as importações regulares de vacinas da Pfizer, administrou pelo menos uma dose a mais de 25% de sua população de 9 milhões desde 19 de dezembro, diz o Ministério da Saúde.

O país está em um terceiro bloqueio nacional desde 27 de dezembro, que planeja suspender no final de janeiro. Os críticos dizem que o governo lidou mal com a crise, sem uma estratégia clara de longo prazo e permitindo que a política afetasse suas decisões.

O ministro da Educação, Yoav Galant, falando na Ynet TV, disse que é muito cedo para saber se as escolas serão reabertas no próximo mês.