PUBLICIDADE
Topo

Roma proíbe piqueniques em diversas áreas para prevenir ataques de javalis

Roma tem sido invadida por javalis nos últimos meses, segundo jornais italianos e de outros países da Europa - iStockphotos
Roma tem sido invadida por javalis nos últimos meses, segundo jornais italianos e de outros países da Europa Imagem: iStockphotos

De Nossa

14/05/2022 09h28

Diversos bairros das regiões norte e noroeste de Roma, capital da Itália, proibiriam piqueniques em seus parques e áreas abertas para evitar o encontro — e até possíveis ataques — de seus habitantes por javalis, informou o jornal britânico "The Guardian" no domingo (8).

A Cidade Eterna tem sido "invadida" pelos animais há pelo menos um ano e as autoridades locais decidiram emitir o alerta após um dos javalis, encontrado já morto, ter testado positivo para a Peste Suína Africana (PSA).

Além disso, latas de lixo foram protegidas dentro de cercas para não atrair os bichos, que têm se tornado cada vez mais ousados. Em maio passado, quatro adultos e dois filhotes perseguiram uma moradora no estacionamento de um supermercado até ela abandonar as compras para fugir.

Na última sexta-feira (6), a Piazza Verbano, uma praça na área de Trieste, teve de ser fechada por 20 minutos por causa do passeio de um dos espécimes.

Apesar de a doença detectada no javali morto nunca ter sido reportada em pessoas até o momento — o vírus afetaria exclusivamente suínos —, as autoridades de saúde pretendem agir rápido para evitar o contágio de outros animais e uma eventual transmissão para os humanos.

O Ministro da Saúde, Roberto Speranza, já prometeu que a situação receberá "atenção máxima". Já o subsecretário de seu ministério, Andrea Costa, disse à emissora italiana Rai que o governo está discutindo um "plano de abate" para reduzir a população de javalis — atualmente, cerca de 23 mil vivem em Roma e nos seus arredores, informou a associação de produtores rurais Coldiretti ao Guardian.

Eu respeito as sensibilidades dos ativistas de direitos animais e ambientalistas, mas estamos enfrentando uma emergência que deve ser tratada com medidas de urgência." Frisou Costa.

Apesar de serem vistos mais frequentemente revirando latas de lixo ou andando nas ruas em busca de comida, a romana Marta Santangelo já foi atacada por uma javalina enquanto passeava com seu cachorro à noite no bairro de Balduina.

"Ela estava na minha cabeça. Eu gritei e meu cachorro me defendeu. Havia sete filhotes por perto, mas eles não me atacaram", relatou à publicação britânica. Ainda de acordo com o jornal italiano La Reppublica, alguns grupos de habitantes dos bairros mais atingidos já organizaram toques de recolher espontaneamente, para minimizar os ataques e encontros com os animais.

javali - ViktorCap/Getty Images/iStockphoto - ViktorCap/Getty Images/iStockphoto
Imagem: ViktorCap/Getty Images/iStockphoto

"Nas redes sociais e grupos de mensagens entre pessoas que têm cachorros [no bairro], é recomendado não sair após as 20h30. À noite, se alguém cai ou se machuca e ninguém está por perto para ajudar, a pessoa corre o risco de permanecer no chão por sabe-se lá quanto tempo", contou Gianluca Sabino, que mora na mesma área de Marta.

Para Franco Quaranta, presidente da associação de moradores de Aurelio, assim como outros romanos ouvidos pelo periódico local, as medidas de autopreservação dos residentes são importantes especialmente para proteger crianças, que correm risco de vida caso sejam mordidas por um javali.

Portanto, se estiver passeando por Roma, mesmo em tempos de pandemia, pode ser melhor optar por almoços ou lanches em locais fechados.