PUBLICIDADE
Topo

Máscara de R$ 560 vira item mais desejado e movimenta mercado de luxo

Máscara da Off-White - Divulgação
Máscara da Off-White Imagem: Divulgação

Gustavo Frank

De Nossa

13/08/2020 04h00

A Off-White vem revolucionando o conceito de moda há um tempo. Criada por Virgil Abloh, em 2012, a marca trouxe o streetwear ainda mais forte para as passarelas, conquistou famosos e se consolida como uma das mais poderosas no mercado.

Um dos motivos que a levou até esse posto, pelos menos no segundo trimestre de 2020, foi a produção de máscaras de proteção contra o coronavírus.

De acordo com o levantamento feito pela The Lyst Index levando em conta compras relacionadas no setor da moda, a máscara da Off-White, estampada com seu logotipo de setas cruzadas, foi o item mais buscado pelo público masculino para a compra.

O levantamento desses dados não surpreende. Hoje, se você procurar por uma dessas peças para comprar na internet, vai dar de cara com o "sold out", ou melhor, esgotado.

Máscara da Off-White - Divulgação - Divulgação
Máscara da Off-White com setas cruzadas em branco com o fundo preto
Imagem: Divulgação

Enquanto no começo da pandemia marcas foram "canceladas" por vender máscaras muito caras, agora, peças como a da Off-White e de outras marcas de luxo são disputadas.

O preço da máscara é de US$ 105, aproximadamente R$ 560 no nosso bolso brasileiro.

Máscara da Off-White - Divulgação - Divulgação
Máscara da Off-White
Imagem: Divulgação

Máscara da Off-White - Divulgação - Divulgação
Peça traz estampa com o logotipo da marca
Imagem: Divulgação

As influências para que muitos fossem atrás dessa máscara em especial são consequência da reputação que a marca italiana construiu ao longo dos oito últimos anos. Mas sua aparição nos holofotes também deram um "empurrãozinho".

Há alguns dias, a atriz Angelina Jolie, que dificilmente temos visto estampando fotos de paparazzi nos últimos anos, apareceu na rua com uma delas.

A peça pode até ser procurada, na maior parte das vezes, por homens, mas faz parte do segmento genderless que a Off-White tem apostado nos seus últimos desfiles.

Off-White hoje é questionamento para as grifes

Virgil Abloh - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
O designer norte-americano Virgil Abloh fundou a Off-White em 2012 em Milão, na Itália
Imagem: Reprodução/Instagram

O que fez com que a marca italiana tenha feito tanto sucesso nos últimos anos? Você deve estar se perguntando. Começamos pela mente criativa por trás dela: Virgil Abloh.

O designer é o respiro por diversidade que o mercado da moda vem procurando implementar no futuro. Ele foi o primeiro negro a comandar o estilo da Louis Vuitton — uma das maiores grifes mundiais.

Não fui feito para um pódio, mas vou projetar um pódio que crie uma mudança no sistema"
Virgil Abloh em entrevista ao Fast Company, em junho de 2020

A Off-White aparece hoje, de acordo com o levantamento feito pela The Lyst Index, como a segunda marca mais popular em todo o mundo.

Além da produção intensa de máscaras, que não se restringem à que figurou em primeiro lugar, a marca se destacou também ao lançar uma coleção cápsula, com estética dos anos 90, em parceria com a loja de departamentos TSUM em Moscou.

No entanto, um dos maiores destaques que impulsionou essa colocação foi o poder de transformação social.

Com a forte repercussão do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, o designer levantou um leilão para um de seus tênis, o Air Jordan 4 x Off-White, e arrecadou cerca de R$ 1 milhão para o movimento Black Lives Matter.

Air Jordan 4 x Off-White - Reprodução - Reprodução
Tênis Air Jordan 4 x Off-White comprado por cerca de R$ 1 milhão em leilão beneficente
Imagem: Reprodução