PUBLICIDADE
Topo

Vacinação em larga escala transforma Gibraltar em "oásis" na Europa

Pessoas passeiam por Gibraltar sem máscara - CRISTINA QUICLER / AFP
Pessoas passeiam por Gibraltar sem máscara Imagem: CRISTINA QUICLER / AFP

09/04/2021 09h53

Pessoas sem máscara nas ruas, amigos reunidos em restaurantes e torcedores em eventos esportivos. Com a campanha de vacinação quase concluída, Gibraltar se tornou um "oásis" em uma Europa tomada por restrições.

O pequeno território britânico no extremo sul da Espanha é um dos primeiros lugares do planeta a imunizar a maioria da população adulta contra o coronavírus, o que permitiu o fim das restrições e o retorno a uma vida quase normal.

"Isto é como um oásis", afirma Rafael Cordón, cozinheiro espanhol de 63 anos que entra diariamente, para trabalhar, no território britânico de quase 34.000 habitantes.

Ele mora no município espanhol de San Roque e afirma que o pequeno trajeto diário é "como passar de um mundo para outro". Cordón recebeu as duas doses da vacina em Gibraltar como trabalhador transfronteiriço.

Na Espanha, como em outras partes da Europa, o uso da máscara é obrigatório, e o país ainda conta com medidas como toque de recolher.

Em Gibraltar, desde o fim de março as máscaras são obrigatórias apenas nos espaços públicos fechados, nas lojas e no transporte público.

O toque de recolher chegou ao fim, o que devolveu a vida aos bares e restaurantes, que reabriram as portas com capacidade limitada em março, após meses de fechamento.

A pandemia matou 94 pessoas em Gibraltar, a maioria entre janeiro e fevereiro deste ano, e o território registrou quase 4.300 casos entre sua pequena população.

Graças à vacinação, este território de apenas 6,8 quilômetros quadrados, dominado por um rochedo de mais de 400 metros de altura, não registrou novas internações por covid-19 nas últimas semanas.

Isto permitiu a Cristine Parody celebrar a Semana Santa "como se deve viver, em família", com as filhas e os netos, com os quais não conseguiu passar o Natal, nem seu 65º aniversário.

"Foi grandioso poder ter essa chance outra vez", declarou à AFP na Main Street, lotada de pessoas, a maioria sem máscara.

Batizada de "Operação Liberdade", a campanha de vacinação de Gibraltar permitiu imunizar com duas doses 85% da população desde janeiro.

Além disso, quase 50% dos 15.000 trabalhadores fronteiriços, que seguem da Espanha a Gibraltar todos os dias, receberam a primeira dose.

"É um grande alívio", disse à AFP a ministra da Saúde do território, Samantha Sacramento.

Ela atribui o sucesso da vacinação ao tamanho reduzido do território e ao envio constante pelo Reino Unido dos fármacos da Pfizer e da AstraZeneca.

Os profissionais da saúde e moradores e funcionários de casas de repouso foram os primeiros vacinados. Depois, o governo instalou um centro de vacinação em uma galeria comercial para a população geral.

Depois de tomar a segunda dose, os cidadãos de Gibraltar recebem uma carteira de vacinação, a qual lhes permite entrar em grandes eventos, ou viajar.

Na semana passada, o estádio Victoria recebeu 600 pessoas imunizadas para uma partida de futebol e, em março, 500 espectadores acompanharam uma luta de boxe.

Para os dois eventos, os torcedores precisaram apresentar resultado negativo em um exame feito na véspera.

A flexibilização das restrições também chegou a pontos de encontro populares, como Ocean Village Marina, ou Irish Town, onde os clientes voltaram a brindar com cerveja.

O ministro principal de Gibraltar, Fabian Picardo, anunciou que o limite de reuniões de 16 pessoas será eliminado em 16 de abril e que, a partir de segunda-feira (12), acabará a restrição de número de pessoas nos restaurantes.