PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Cereto diz que acusações de assédio são 'mentirosas' e 'covardes'

Do UOL, em São Paulo

06/07/2021 19h15

O jornalista Carlos Cereto, que deixou a Rede Globo na última quinta-feira (1º), se defendeu das acusações de ter assediado moral e sexualmente funcionárias da emissora. Ele compartilhou um vídeo no Instagram na tarde de hoje para falar sobre o assunto.

"Respeito demais todos os meus colegas e minhas colegas de trabalho. Quero dizer que respeito demais a Rede Globo, de onde eu saí em mais alto nível, deixando as portas abertas. Meu desligamento foi em comum acordo. Os dois lados, a direção e eu entendemos que era o momento de interromper a relação. Não tem absolutamente nada a ver com essas denúncias mentirosas a meu respeito. Denúncias essas que são covardes porque são anônimas e, por isso mesmo, sequer posso me defender de algo que não estou sendo acusado", disse.

Em maio de 2019, a emissora foi condenada na Justiça do Trabalho a indenizar uma funcionária por assédio moral praticado entre 2013 e 2015 por Cereto, então chefe de reportagem do SporTV em São Paulo. Procurada, a autora da ação não quis falar sobre o assunto.

No processo, há cópias de e-mails e conversas em aplicativos de mensagem com ameaças de demissão e questionamento de competência na frente de outros funcionários, relatos de pelo menos quatro testemunhas e, também, uma acusação de assédio sexual.

Sete pessoas que trabalharam com Cereto no SporTV nos últimos anos confirmaram, na condição de anonimato, os comportamentos descritos na ação judicial e relataram situações de constrangimento e assédio nos corredores da Globo. Há episódios de mulheres chorando nos banheiros e pelo menos duas tentativas de denunciar o que acontecia aos departamentos de compliance e recursos humanos.

Veja a declaração de Cereto na íntegra:

Alô, meus amigos. Um recado muito importante: em 20 anos de TV Globo e SporTV, eu nunca fui notificado a respeito de qualquer denúncia sobre o meu comportamento. A TV Globo tem um departamento de compliance dos mais sérios e dos mais rigorosos e tem meios e mecanismo de fiscalizar esse tipo de coisa. Se houvesse algum comportamento estranho a meu respeito, certamente eu teria sido punido.

Eu nunca fui processado, eu não sou réu em nenhum processo. O que existe é uma ação trabalhista contra a TV Globo. Eu nunca fui processado por assédio sexual, não existe nenhum processo sobre assédio sexual. Isso é mentira. É uma mentira de alguém que está querendo me prejudicar, infelizmente.

A minha carreira, de 25 anos, é pautada pela transparência e honestidade. Quem me conhece, sabe exatamente que eu jamais seria capaz de fazer qualquer coisa a esse respeito. Respeito demais, muito, todos os meus colegas e as minhas colegas de trabalho. Quero dizer que respeito demais a TV Globo, de onde eu saí em mais alto nível, deixando as portas abertas. Meu desligamento foi em comum acordo. Os dois lados, a direção e eu, entendemos que era o momento de interromper a relação. Não tem absolutamente nada a ver com essas denúncias mentirosas a meu respeito. Denúncias essas que são covardes porque são anônimas e, por isso mesmo, eu sequer posso me defender de algo que não estou sendo acusado.

Isso não vai abalar, de maneira alguma, a minha carreira. Não vai prejudicar a minha carreira, tenham certeza absoluta disso. Eu vou ficar ainda mais forte. Isso não vai sequer arranhar a minha imagem, tampouco vai abalar a união da minha família. Os meus advogados vão tomar todas as providências cabíveis. Muito obrigado.

UOL Esporte vê TV