PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Lisca: 'Não quero parar o futebol, mas a ciência diz que precisa segurar'

Lisca questiona tabela da Copa do Brasil e critica CBF por jogos na pandemia: "É hora de segurar a vida" - Reprodução/ Premiere
Lisca questiona tabela da Copa do Brasil e critica CBF por jogos na pandemia: "É hora de segurar a vida" Imagem: Reprodução/ Premiere

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/03/2021 12h59

O técnico Lisca, do América-MG, voltou a criticar o seguimento das competições nacionais durante o aumento de casos de covid-19 no Brasil. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o comandante destacou que a "ciência diz que precisa dar uma segurada".

Preocupado com o "potencial de transmissão da Copa do Brasil", Lisca defendeu a realização, neste momento, apenas dos Campeonatos Estaduais. Ontem, a CBF divulgou as datas e horários da primeira fase da Copa; enquanto isso, o país registrou 1.840 mortes em 24h.

"O repórter me perguntou como eu me sentia com mais três casos de covid-19 na minha equipe, dez no total, inclusive com cinco reinfecções. As pessoas não estão se dando conta disso. E tu conhece a realidade do futebol. O que aparece para nós é 1%. Na Copa do Brasil, tem clubes que não têm condições de fretar avião, deixar os jogadores em ala separada no hotel, seguir os protocolos", falou Lisca.

O técnico deixou claro que não quer "parar o futebol", mas sim postergar competições que envolvam grandes deslocamentos.

"As pessoas falam que precisam de entretenimento, precisam do futebol. É questionável, mas tudo bem. Se é para fazer, vamos fazer só os estaduais, com mais controle, mais isolamento, sem contato. Meu medo é o potencial de transmissão da Copa do Brasil. Imagina uma delegação do Rio Grande do Sul ir para Manaus, Roraima, Minas Gerais. Tem que passar por aeroporto, fazer escalas. Esse vírus passa muito mais rápido, propaga mais, mata mais", exemplificou o comandante.

"Não quero parar o futebol, não quero suspender a competição, mas a ciência diz que precisa dar uma segurada. Os 80 clubes envolvidos na primeira fase da Copa do Brasil não têm Libertadores, praticamente não têm Sul-Americana, dá para fazer daqui duas ou três semanas, se a situação melhorar", completou.

Futebol