PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trajano: Pressão sobre o Fratus é enorme, carrega nas costas a natação brasileira

Do UOL, em São Paulo

31/07/2021 13h51

O nadador brasileiro Bruno Fratus disputa hoje à noite a final dos 50m livre nos Jogos Olímpicos de Tóquio e é apontado como candidato a medalha, embora tenha a concorrência de nomes como o americano Caeleb Dressels, dono de três ouros até o momento e o francês Florent Manaudou.

Em sua participação no programa UOL News Olimpíadas, José Trajano destaca a chance de medalha de Bruno Fratus, diz que está na torcida pelo brasileiro, mas lamenta que a modalidade hoje seja tão dependente de apenas um nome e tenha caído tanto no feminino.

"O Bruno é uma esperança grande de medalha, é uma prova muito rápida, o Brasil tem o seu recorde mundial e olímpico que é o César Cielo, é uma prova que você não pode nem piscar, pulou, já acabou, tem concorrentes fortes, eu vi as eliminatórias, esse americano está ganhando tudo.

"A pressão sobre ele é uma enorme pressão, porque a medalha de ouro que a gente poderá vir a ter, acho difícil, acho que ele vai medalhar, mas não a de ouro, é uma pressão que ele carrega nas costas toda a natação brasileira e é um baita de uma pressão, todo ano é mais ou menos isso, vamos esperar que a medalha venha com o Bruno, e às vezes não é o que a gente espera, mas vamos torcer por ele", completa.

Trajano afirma que a natação brasileira não foi bem em Tóquio e é necessário discutir o momento da modalidade, que nos Jogos do Rio não teve nenhuma medalha nas provas em piscina.

"Mais uma vez a natação não foi bem, principalmente a natação feminina, ao contrario de outro envolvimento das moças em outros esportes. É preciso rediscutir a natação brasileira para a gente não ficar sempre 'o Leonardo ganho uma medalha, o outro ali'", diz Trajano.

"A gente comemora muito quando um atleta vai para uma final olímpica, claro, é um baita de um feito, é sensacional, mas o Brasil em 2016 não ganhou nenhuma medalha na natação, que já teve grandes nomes como Gustavo Borges, Ricardo Prado, o próprio Cesar Cielo, esse pessoal todo, a gente precisa dar uma mexida, para que a natação brasileira reencontre o seu caminho. Nós já tivemos grandes nomes na natação, mas o Bruno tem grande chance e certamente ficará com a medalha", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL