PUBLICIDADE
Topo

Casagrande se emociona ao falar de racismo estrutural após prata de Rebeca

Casagrande se emociona ao falar sobre medalha de prata de Rebeca Andrade em Tóquio - Reprodução / SporTV
Casagrande se emociona ao falar sobre medalha de prata de Rebeca Andrade em Tóquio Imagem: Reprodução / SporTV

Do UOL, em São Paulo

29/07/2021 14h45

O comentarista Walter Casagrande Jr. se emocionou ao comentar a fala de Daiane do Santos após a medalha de prata de Rebeca Andrade em Tóquio — a ex-ginasta chorou ao dizer o quanto era importante para Rebeca, como atleta e mulher negra, se tornar a primeira medalhista brasileira na ginástica feminina em Olimpíadas e acrescentou que "até pouco tempo os negros não podiam competir em alguns esportes".

Em participação no "Seleção SporTV" na tarde de hoje, Casagrande disse que se sente culpado, como homem branco, pelo racismo estrutural no Brasil e cobrou mudanças na sociedade brasileira.

"Estou bastante emocionado. Conquistar uma medalha, uma garota que veio da situação que ela [Rebeca] veio, é maravilhoso. Mas ao mesmo tempo me dá uma tristeza quando a gente precisa ouvir ainda a Daiane contar que ninguém acreditava em uma atleta negra, que uma atleta negra não poderia participar de alguns esportes, que não poderia ganhar uma medalha. Isso me entristece e me bate muito forte. Nós temos que mudar essa situação. Não é no esporte, não. É na sociedade brasileira", disse.

"Eu espero, antes de morrer, não ouvir mais esse tipo de fala, que vem de dentro do coração dela [Daiane]. A gente é culpado disso, eu me sinto culpado com isso. Todo brasileiro branco deve se sentir culpado, um pouco ou muito, por uma situação como essa. Isso me machuca porque eu não suporto racismo, acho nojento. Quando eu vejo uma conquista de uma atleta negra, uma garota que vem de uma situação humilde, e aí você vê a Daiane, que foi uma excelente ginasta, negra também, falando dessa situação, isso me machuca. Ao mesmo tempo que eu estou feliz, e muito emocionado pela conquista, eu fico triste pela nossa sociedade ter essa racismo estrutural dentro dela", acrescentou.

Rebeca Andrade conquistou nesta quinta-feira (29) a primeira medalha olímpica da ginástica artística feminina do Brasil. Na prova que define a ginasta mais completa do mundo, o individual geral, em que vale a soma das notas dos quatro aparelhos, a brasileira só não foi melhor que a americana Sunisa Lee. Ela ainda vai disputar outras duas finais em Tóquio — no salto e no solo.