PUBLICIDADE
Topo

Olimpíadas, dia 6: Rebeca e Mayra deixam lesões para trás e sobem no pódio

Rebeca Andrade é prata na ginástica artística - Ricardo Bufolin/CBG
Rebeca Andrade é prata na ginástica artística Imagem: Ricardo Bufolin/CBG

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/07/2021 13h02

Duas guerreiras gravaram nesta quinta-feira (29) seus nomes na história do esporte brasileiro. Mayra Aguiar e Rebeca Andrade precisaram superar graves lesões nos últimos anos para subir ao pódio das Olimpíadas de Tóquio.

No judô, Mayra conquistou o bronze olímpico pela terceira vez seguida. Ela é a primeira atleta do Brasil a ganhar três medalhas individuais. Para isso, teve que encarar sete cirurgias e nove meses sem poder treinar.

Rebeca também tem um histórico de lesões. A atleta já passou por três cirurgias e quase desistiu de competir. Em Tóquio, ela foi brilhante. Com a prata no individual geral, Rebeca se tornou a primeira ginasta do Brasil a ganhar medalhas em Olimpíadas.

E as mulheres brasileiras ainda mostraram força em outras modalidades. Ana Sátila conseguiu uma inédita final na canoagem slalom, enquanto a dupla Luisa Stefani e Laura Pigossi vão disputar o bronze no tênis.

Confira a seguir como foi o sexto dia de disputa de medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Mayra Aguiar - Júlio Cesar Guimarães/COB - Júlio Cesar Guimarães/COB
Imagem: Júlio Cesar Guimarães/COB

Judô: Mayra é bronze pela terceira vez

Mais uma vez, Mayra Aguiar levou o Brasil ao pódio olímpico. Medalhista de bronze em Londres-2012 e Rio-2016, a judoca repetiu a dose em Tóquio na categoria até 78kg. Depois de perder nas quartas de final para a alemã Anna-Maria Wagner por wazari, a brasileira voltou na repescagem, derrotou a russa Aleksandra Babintseva por ippon e avançou à luta pelo bronze. Diante da sul-coreana Hyunji Yoon, Mayra não vacilou. Imobilizou a rival e garantiu seu lugar no pódio.

No masculino, Rafael Buzacarini, da categoria até100kg, foi superado logo na primeira luta pelo belga Toma Nikiforov e ficou fora da luta por medalhas.

Laura Pigossi e Luisa Stefani - Reuters - Reuters
Imagem: Reuters

Tênis: brasileiras perdem, mas disputam bronze

Luisa Stefani e Laura Pigossi deram adeus nesta quinta-feira (29) às chances de conquistarem a medalha de ouro no torneio de duplas femininas no tênis.

Na semifinal contra as suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic, as brasileiras começaram muito bem o primeiro set. Elas abriram 4 a 0, e chegaram a ter um set point em 5 a 4, mas permitiram a virada na parcial e no jogo.

As europeias ganharam por 2 a 0 (7/5 e 6/3) e se classificaram para a final. Apesar do revés, Stefani e Pigossi ainda jogarão pela medalha de bronze, contra as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina, neste sábado (31).

Nas chaves de simples, Novak Djokovic voltou a atuar de forma impressionante e dominou o japonês Kei Nishikori nesta quinta. Por 6/2 e 6/0, o sérvio avançou às quartas de final e espera o vencedor do jogo entre o francês Jeremy Chardy e o alemão Alexander Zverev.

Entre as mulheres, Belinda Bencic derrotou a cazaque Elena Rybakina por 7/6(2), 4/6 e 6/3 e se classificou para a final. Sua rival sairá do jogo entre a ucraniana Elina Svitolina e a tcheca Marketa Vondrousova.

Macris, vôlei feminino - Toru Hanai/Getty Images - Toru Hanai/Getty Images
Imagem: Toru Hanai/Getty Images

Vôlei: Macris dá susto, mas Brasil vence Japão

O Brasil saiu de quadra de seu duelo contra o Japão com uma mescla de sensações, na terceira rodada do vôlei feminino nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

A vitória brasileira por 3 a 0, com parciais de 25/16, 25/18 e 26/24, foi bastante tranquila e encaminhou a vaga do time treinado por José Roberto Guimarães para as quartas de final. Por outro lado, uma torção feia no pé direito da levantadora Macris, no terceiro set, preocupa.

Ela saiu de quadra chorando, foi substituída por Roberta, e não voltou mais à quadra. Sua continuidade no torneio olímpico, desta forma, pode se tornar uma incógnita.

Ágatha e Duda, vôlei de praia feminino - Pilar Olivares/Reuters - Pilar Olivares/Reuters
Imagem: Pilar Olivares/Reuters

Vôlei de praia: brasileiros se classificam para as oitavas

Duas duplas brasileiras do vôlei de praia classificaram-se nesta quinta-feira (29) para as oitavas de final do torneio olímpico.

Entre os homens, Alison e Álvaro Filho avançaram de fase com a vitória por 2 sets a 0 (parciais de 21/14 e 24/22) sobre os holandeses Brouwer e Meeuwsen. Com o resultado, eles terminaram na primeira posição do Grupo D, com cinco pontos (duas vitórias e uma derrota) e avançaram de fase.

No feminino, Ágatha e Duda derrotaram as canadenses Brandie e Bansley também por 2 a 0 (duplo 21/18), e ficaram no segundo lugar do Grupo C com cinco pontos, atrás das chinesas Wang e Xia, com seis.

Os adversários das equipes brasileiras nas oitavas de final ainda não definidos, por dependerem do encerramento da primeira fase e da realização da repescagem, no sábado.

ana sátila final - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Canoagem: Ana Sátila em último na final

Ana Sátila se classificou para a final do C1 com a terceira melhor marca e tinha boas chances de conquistar uma medalha, mas errou na final, deixando de passar por uma porta, e acabou terminando em décimo lugar - a última posição entre as finalistas - com o tempo de 164s721.

Desses 164 segundos, 50 foram de punição por errar a 22ª das 25 portas do percurso. Não tivesse falhado ali, Ana Sátila teria terminado a quarta posição. O pódio foi formado pela australiana Jessica Fox (105s04), a britânica Mallory Franklin (108s68) e a alemã Andrea Herzog (111s13).

Natação: Cachorrão em oitavo

Nos 800m livre, Guilherme Costa, o Cachorrão, terminou a prova em 7min53s31 e ficou em oitavo. O ouro ficou com o americano Robert Finke, com 7min41s87, a prata foi para o italiano o Gregorio Paltrinieri (7min42s11), e o ucraniano Mykhailo Romanchuk (7min42s33), grande destaque das semifinais, completou o pódio.

Atletismo: covid tira rival de Thiago Braz

O norte-americano do salto com vara Sam Kendricks testou positivo para covid-19 e está fora das Olimpíadas de Tóquio, informou o Comitê Olímpico dos Estados Unidos. O atleta é o atual campeão mundial na categoria, foi medalha de bronze nos Jogos Olímpicos Rio-2016 e era um dos principais adversários do brasileiro Thiago Braz, atual campeão olímpico. O americano agora ficará em isolamento na capital japonesa.

Uma consequência do positivo de Kendricks foi o isolamento de todo time de atletismo da Austrália, o que aconteceu porque o saltador Kurtis Marschall estee treinando ao lado de Kendricks. O resto da equipe australiana só foi liberado depois que Marschall fez um teste - com resultado negativo - após a notícia de Kendricks.

Brasil x Espanha handebol - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Handebol: seleção feminina perde a primeira

Após um empate com a seleção russa e uma vitória sobre a Hungria, a seleção feminina de handebol sofreu sua primeira derrota em Tóquio nesta quinta-feira. Diante da Espanha, as brasileiras pararam em uma ótima atuação da experiente goleira Navarro, que fez 18 defesas, e perderam por 27 a 23.

Na fase de grupos, o Brasil ainda precisa enfrentar Suécia e França. Os quatro mais bem colocados entre os seis países do Grupo B avançam às quartas de final.

BMX: Renato vai à semi

Renato Rezende se classificou para as semifinais do ciclismo BMX de velocidade, marcadas para o dia 30 de julho. Alinhado na segunda bateria com seis ciclistas, o brasileiro somou dois terceiros lugares e um quarto posto nas três corridas do dia, fazendo sua melhor prova em 40s705. No geral, ele ficou com 10 pontos perdidos, na terceira posição. Os quatro primeiros após três corridas avançavam às semifinais. A também brasileira Priscilla Stevaux ficou em sexto lugar em sua bateria e não tem mais chance de medalhas.

Remo: single skiff fora da final

Luvas Verthein disputou, nesta quinta-feira, a semifinal do single skiff e ficou em quinto lugar na sua regata, o que não foi suficiente para conquistar um lugar na final da prova. O atleta de 23 anos completou a prova em 7min02s87. Verthein agora vai disputar a final B, que vale o sétimo lugar geral.

Um momento curioso da prova foi a transmissão pelo SporTV. O narrador Cláudio Uchôa confundiu Verthein com um remador lituano e chegou a comemorar o bom desempenho do atleta na prova, mas depois percebeu que o brasileiro tinha ficado para trás.