PUBLICIDADE
Topo

Zanetti, Caio Souza e Diogo Soares garantem finais individuais na ginástica

Arthur Zanetti em ação nas argolas neste sábado - Richard Callis /Fotoarena/Folhapress
Arthur Zanetti em ação nas argolas neste sábado Imagem: Richard Callis /Fotoarena/Folhapress

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Tóquio

24/07/2021 09h54

Fora da disputa por equipes, o Brasil tem três atletas na briga por quatro medalhas na ginástica artística masculina nas Olimpíadas de Tóquio. Arthur Zanetti (argolas), Caio Souza (salto e individual geral) e Diogo Soares (individual geral) disputam finais individuais na modalidade.

Principal esperança de medalha do país na modalidade, Arthur Zanetti se classificou com a quinta colocação para a final nas argolas. Na decisão, pode conquistar seu terceiro pódio olímpico na prova, fato inédito, após faturar o ouro em Londres, em 2012, e a prata no Rio, em 2016.

O brasileiro terminou sua apresentação com 14.900. O melhor do aparelho foi o atual campeão olímpico, o grego Eleftherios Petrounias, com 15,333.

"A gente já sabe o que cometeu de erros aqui na classificatória e agora é trabalhar. Temos uns dez dias até a final, então dá tempo de trabalhar e ajeitar esses detalhes para buscar a maior perfeição possível", disse o brasileiro - a final das argolas será no dia 2 de agosto, às 5h.

Além do líder Petrounias, o chinês Liu Yang (15,300), o francês Samir Ait Said (15,066) e o turco Ibrahim Colak (14,933), atual campeão mundial, também ficaram à frente do brasileiro. Agora, Zanetti aposta na correção dos detalhes para faturar sua terceira medalha olímpica.

"Sabemos quais foram os elementos que tiveram o maior desconto. Se a gente ajeitar esses dois elementos e cravar a saída, a gente chega em 15.300. Então é detalhe. É ajeitar, ir para a final, para o tudo ou nada", afirmou o campeão olímpico da prova em Londres-2012.

Caio Souza se garante em duas finais

Além dele, Caio Souza garantiu uma vaga entre os oito melhores no salto e vai disputar a final que acontece no dia 2 de agosto. Caio ainda se classificou à final no individual geral ao lado do jovem Diogo Soares, de apenas 19 anos. Essa decisão será na próxima quarta-feira (28).

Caio Souza se classificou às finais do salto e individual geral da ginástica artística nas Olimpíadas de Tóquio - Ricardo Bufolin/CBG - Ricardo Bufolin/CBG
Caio Souza se classificou às finais do salto e individual geral da ginástica artística nas Olimpíadas de Tóquio
Imagem: Ricardo Bufolin/CBG

Campeão pan-americano, Caio conquistou duas finais em sua primeira edição de Olimpíadas. Finalista do individual geral nos três últimos Mundiais, ele se classificou para a decisão entre os ginastas mais completos somando 84,298 pontos. Na tabela geral, Caio foi o 18º colocado, com 84,298, mas entra na disputa com a 14ª marca, já que há um limite de dois ginastas por país na final.

Apesar da sétima colocação no salto, o ginasta de 27 anos tem chances reais de medalha, já que ficou apenas 0,166 pontos atrás do líder, o sul-coreano Shin Jeahwan, que anotou 14,866.

Diogo surpreende, Nory decepciona

Diogo Soares, que também participa pela primeira vez dos Jogos, ficou com 81.332 e garantiu a última das 24 vagas do individual geral. Ele foi o 36º colocado, mas há o limite de dois ginastas por país na decisão.

Diogo Soares vai disputar a final do individual geral da ginástica nas Olimpíadas de Tóquio - Ricardo Bufolin/CBG - Ricardo Bufolin/CBG
Diogo Soares vai disputar a final do individual geral da ginástica nas Olimpíadas de Tóquio
Imagem: Ricardo Bufolin/CBG

Bronze no individual geral nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, ganhando uma medalha de bronze no individual geral, o jovem de apenas 19 anos é esperança da ginástica artística masculina para os próximos ciclos olímpicos.

Por outro lado, Arthur Nory, campeão mundial na barra fixa e um dos favoritos a medalhar em Tóquio, decepcionou, caiu e foi eliminado. O ginasta também sofreu queda no solo e não fará nenhuma final individual no Japão. Francisco Barretto, finalista da barra fixa nas Olimpíadas do Rio, em 2016, também parou nas classificatórias.