PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Weverton diz entender reclamação de Abel sobre desfalques: 'Quer sempre os melhores'

Weverton com Abel Ferreira na vitória do Palmeiras sobre o Ceará no Castelão - Cesar Greco/Palmeiras
Weverton com Abel Ferreira na vitória do Palmeiras sobre o Ceará no Castelão Imagem: Cesar Greco/Palmeiras

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

25/10/2021 23h57

O Palmeiras derrotou o Sport por 2 a 1, de virada, e assumiu a segunda posição do Campeonato Brasileiro. Foi a terceira vitória seguida da equipe, em sequência que coincidiu com o retorno de Weverton, Gustavo Gómez e Piquerez de suas seleções.

Abel Ferreira é um grande crítico do calendário brasileiro, já que o Palmeiras não tem seus jogos adiados durante as Datas Fifa. Weverton diz entender a reclamação do treinador, mas destaca que não pode abrir mão da oportunidade de defender a seleção brasileira.

"Esse é o tipo de coisa que não tem o que fazer. O que o Abel gostaria é que o campeonato fosse paralisado na época de convocações, porque ninguém pode tirar o direito do jogador vestir a camisa da Seleção e representar seu país. Isso é um grande prêmio para os jogadores, porque você trabalha para fazer o melhor para o seu clube. O prêmio é poder representar a Seleção, e não pode se tirar o prêmio", disse Weverton ao "Bem, Amigos", da SporTV.

"Mas eu entendo, ele quer sempre os melhores jogadores. O que ele quer é que o campeonato pare e se respeite quando os jogadores vão para a Seleção. Acho que isso não só ele quer, todos os treinadores querem, porque todos têm o mesmo pensamento. E é o que eu falo do Abel: às vezes, ele fala uma coisa e a galera entende outra, acha que ele está reclamando. Muito pelo contrário, ele tem prazer em ver os jogadores pela Seleção. Mas a gente sabe como funciona, não cabe a nós resolver", completou.

Antes das vitórias sobre Internacional, Ceará e Sport, o trio de selecionáveis desfalcou o Palmeiras nas derrotas para América-MG e Red Bull Bragantino e no empate com o Bahia.

Com a vitória, o Palmeiras chegou aos 49 pontos, na segunda colocação. Na próxima rodada, o time terá pela frente o Grêmio, na Arena dos gaúchos, às 16h do domingo. Vale lembrar que o Flamengo, em quarto no momento, tem três jogos a menos em relação aos Palmeiras.

Veja outros trechos da entrevista de Weverton:

Postura do Palmeiras nas partidas

"A gente joga de acordo com o que o jogo oferece. O Abel entrega toda semana a forma que atacamos e defendemos, e entender a forma que o adversário vai se portar dentro do jogo. Se parece que o Palmeiras gosta de se defender para depois atacar, mas não é isso, é o que o jogo propõe. Hoje, saímos atrás do placar e tivemos que buscar o resultado, acho que foi uma das melhores partidas hoje, independente do adversário, buscou o empate e a vitória a todo tempo. A gente tem que destacar também o clima na arena, o torcedor incentivando até o fim. Falar a verdade, a gente estava com saudade disso, sabemos que a gente acaba apanhando um pouco, mas preferimos a cornetada do que o estádio vazio".

Transferência para a Europa

"Eu nunca tive esse sonho na minha carreira, tive, sim, o grande sonho de ir para a seleção brasileira, de um grande clube do futebol brasileiro e hoje tenho esse sonho vivo em mim, muito feliz. Nunca coloquei isso como prioridade na minha vida. Óbvio que se aparecer uma oportunidade, todo jogador quer ter essa experiência de jogar na Europa, de competir em altíssimo nível, mas digo que estou 100% satisfeito e, se na minha trajetória como goleiro não houver essa oportunidade, vou encerrar a carreira, espero que seja dentro do Palmeiras muito feliz e realizado do mesmo jeito. Se for da vontade de Deus, sei que vai acontecer, se não for, estou extremamente feliz com o meu momento aqui".

Expectativa para a final da Libertadores

"Nós estamos muito felizes com esse momento, acho que é muito difícil isso acontecer, não é toda hora que se disputa duas finais de Libertadores. A gente sabe que tem muita coisa para acontecer ainda e a gente só pensa em melhorar nossa performance. A gente passou alguns jogos sem vencer, agora estamos com 3 jogos e 3 vitórias. A gente se prepara dessa forma, melhorando a nossa performance coletiva e individual. Claro que está na mente de todo mundo, os torcedores estão pensando na Libertadores, mas preferimos viver jogo a jogo e saber que ainda falta um tempo e a forma que a gente vai chegar lá dependerá de como a gente vai se preparar nesses jogos do Brasileirão. O nosso maior objetivo é somar o maior número de pontos nesse momento".

Habilidade com os pés

"No começo, o goleiro só batia tiro de meta, depois começou essa moda de sair jogando com o Neuer, na Copa de 2014. Eu tive essa adaptação muito boa, por conta de ter começado como atacante, quando ainda sonhava em ser jogador, por isso tenho esse domínio mais aprimorado. Fico feliz de poder dar tranquilidade aos meus companheiros, de sair jogando desde lá de trás e acabar podendo ajudar lá na frente também".

Intolerância nas redes sociais

"A gente tem as redes sociais por respeito às pessoas que gostam da gente. Infelizmente, junto com esses, tem as pessoas que são ruins, que querem nosso mal. Infelizmente a gente não tem um remédio para isso, a gente vê isso corriqueiramente, e isso aumenta cada vez mais. Enquanto não tiver lei mais firme, uma severidade para punir quem faz essas coisas. O futebol acaba dentro de campo e não tem mais nada para fazer, só trabalhar para ganhar o outro jogo. Somos trabalhadores igual qualquer um, do outro lado também tem um time, as pessoas não podem esquecer disso. Só um pode vencer, o máximo que pode é dar empate".

Inspiração como goleiro e melhor goleiro do mundo hoje

"Eu tive sempre duas grandes inspirações. Lá no começo, quando comecei a jogar de goleiro, eu peguei bem a Copa de 1994 com o Taffarel brilhando, fazendo grandes defesas, sendo campeão do mundo. Depois, eu sempre falei, o Marcos foi, não só um ídolo palmeirense, como um ídolo brasileiro. Conseguiu, com grandes defesas, ajudar a nossa seleção, isso trouxe muita inspiração para mim. Hoje, poder vestir a camisa que ele vestiu, poder representar, não querendo me comparar com ele, jamais, mas é muito gratificante para mim poder estar tendo o carinho do torcedor assim como ele teve. Para mim, o melhor goleiro do mundo não é só quem faz uma temporada boa, mas sim aquele que tem regularidade e consegue se manter em alto nível. A gente consegue ver isso nos dois goleiros brasileiros, Alisson e Éderson, e isso que faz um grande goleiro".

O Brasileirão já acabou ou não?

"O campeonato está aí rolando, enquanto matematicamente não sair o campeão, não tem nada definido. A gente sabe o quanto esse campeonato brasileiro é maluco, tem muitos confrontos, a gente vai tentar fazer o nosso melhor, se dedicar e somar o maior número de pontos possível"

Palmeiras