PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

São Paulo já teve 16 técnicos estrangeiros, mas só quatro foram campeões

Diego Aguirre foi o último estrangeiro a comandar o São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF
Diego Aguirre foi o último estrangeiro a comandar o São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

redacao@gazetaesportiva.com (Redação)

05/02/2021 07h00

Para substituir Fernando Diniz, demitido na última segunda-feira, o São Paulo prioriza a contratação de técnicos estrangeiros. Caso o clube do Morumbi acabe optando por um profissional de fora do Brasil, o novo comandante terá como objetivo entrar no seleto grupo de treinadores gringos que passaram pelo clube e foram campeões.

Ao todo, o São Paulo já foi comandado por 16 técnicos estrangeiros, mas apenas quatro conquistaram algum título. O último deles foi o lendário José Poy, ex-goleiro argentino que esteve à frente da equipe do Morumbi em 422 jogos e conquistou o Campeonato Paulista de 1975.

Já o treinador estrangeiro com mais títulos pelo São Paulo paulista foi Joreca, responsável pela criação do time conhecido como "Rolo Compressor". O português comandou o esquadrão composto por nomes históricos do clube, como Leônidas da Silva, Luizinho, Sastre, Bauer, Noronha e Ruy, que conquistou os Campeonatos Paulistas de 1943, 1945 e 1946, o último de forma invicta.

Depois de Joreca, o próximo técnico gringo a levantar um troféu pelo São Paulo foi o argentino Jim Lopes, no Paulistão de 1953. Quatro anos depois, foi a vez do húngaro Bela Guttman, considerado pela revistaFrance Football como um dos 50 melhores treinadores do futebol mundial, garantir o Estadual para o São Paulo. O título foi o último antes do maior jejum da história do clube, que durou 13 anos.

No século XXI, o São Paulo teve quatro treinadores estrangeiros, todos com passagens relevantes. O primeiro foi o chileno Roberto Rojas, que esteve à frente da equipe em 2003 e classificou o clube para a Libertadores pela primeira vez após dez anos. Em 2015, o colombiano Juan Carlos Osório foi contratado pelo então presidente Carlos Miguel Aidar, e ficou conhecido por seus métodos inovadores de treinamento e suas variações táticas nas escalações. Após atritos com a diretoria, o técnico deixou o Morumbi e assumiu a seleção do México.

No ano seguinte, o argentino Edgardo Bauza foi responsável por levar um time desacreditado até a semifinal da Copa Libertadores. Similarmente a Osório, Bauza acabou deixando o clube para treinar a seleção argentina.

O último estrangeiro a assumir o comando técnico do São Paulo foi Diego Aguirre, em 2018. O uruguaio colaborou para que o time fizesse seu melhor primeiro turno na história do Brasileirão por pontos corridos, mas acabou demitido após um péssimo segundo turno.

São Paulo