PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gol perdido, aperto e racismo: corintiano conta perrengues contra o Boca

Colaboração para o UOL, do Recife

18/05/2022 17h23

O Corinthians arrancou um empate por 1 a 1 contra o Boca Juniors, ontem (17), em La Bombonera, em um jogo marcado por duas expulsões e mais um caso de racismo. Além das polêmicas em campo, a torcida corintiana reclamou bastante da maneira como foi tratada: muitos torcedores tiveram problemas para entrar no estádio e só assistiram ao segundo tempo. Depois do jogo, o clube soltou uma nota repudiando os maus-tratos e cobrando providências.

Na Live do Danilo e do Vitão, transmitida pelo UOL Esporte toda segunda, quarta e sexta às 15h, os jornalistas Danilo Lavieri e Vitor Guedes receberam Eduardo Pereira, jornalista e torcedor do Corinthians que estava em La Bombonera, para falar sobre o jogo contra o Boca. Ele contou uma série de dificuldades para assistir à partida: desde o trajeto para o estádio até o setor destinado à torcida visitante. O corintiano, inclusive, perdeu o gol anotado por Du Queiroz aos 15 minutos.

"Eu estava com um grupo de torcedores que só conseguiu entrar 35 minutos depois, não vi o gol do Corinthians, vi só o gol do Boca Juniors na Bombonera."

"A gente se encontrou numa churrascaria em comboio às 19h e saiu para encontrar o bolsão policial por volta das 19h30, em um trajeto que demoraria cerca de 20 minutos até a Bombonera. A gente só chegou na Bombonera e pôde sair dos ônibus às 21h50, já depois do início da partida, sendo que a gente ficou por 30 minutos preso no ônibus sem ter permissão para sair, a uma distância a pé de 15 minutos do estádio", continuou Eduardo.

"Quando eles liberaram a gente às 21h50, ainda assim tínhamos que caminhar a pé 10 minutos, passamos por três revistas no bairro da Boca até conseguir fazer a procissão para chegar no topo da Bombonera. O espaço que tinham reservado para 3 mil comportava 1.800, 2 mil torcedores", relatou.

Segundo o torcedor corintiano, não havia espaço suficiente para todos os torcedores visitantes e muitas pessoas passaram mal tentando chegar ao anel superior da Bombonera.

"Foi um absurdo o tanto de gente que ficou fora nos corredores, passando mal na escadaria, não tinha um funcionário sequer para direcionar quais entradas tinha que ir, tinha família, criança, muitas mulheres, a gente teve que ficar de um lado para outro até conseguir se enfiar e brigar por um espaço para enxergar um pouco do gramado. Quem conseguiu algum espaço só viu o segundo tempo, foi muito difícil."

Antes de a bola rolar, torcedores do Boca foram flagrados imitando macacos em direção à torcida corintiana, em mais um gesto racista na atual edição da Libertadores. Eduardo também presenciou provocações preconceituosas a caminho do estádio do Boca Juniors.

"Testemunhei provocações racistas no dia do jogo, no caminho para o estádio, depois que passam as barricadas de revista, existem barricadas do bairro, onde ficam alguns torcedores do Boca fazendo provocações, imitando macaco, arremessando alguns objetos, e durante o jogo no estádio também."

A próxima edição da Live do Danilo e do Vitão será na sexta (20). Você pode acompanhar a live pelo Canal UOL, no app Placar UOL, na página do UOL Esporte ou no canal do UOL Esporte no Youtube.

Futebol