PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vitão: Corinthians pagará um perito. Se comprovado o racismo, é rescisão

Do UOL, em São Paulo

17/05/2022 12h31

Enquanto o caso de denúncia de racismo que teria sido cometido pelo lateral Rafael Ramos contra Edenílson, no jogo do último sábado (14), contra o Internacional, o Corinthians está em Buenos Aires para enfrentar o Boca Juniors pela Libertadores e o atleta português viajou junto à delegação, apesar de não poder ir a campo. O clube deverá contratar um perito para apurar o caso e pode rescindir o contrato caso se confirme que ele chamou o adversário de 'macaco'.

No UOL News Esporte, Vitor Guedes afirma que a princípio os líderes do elenco e a diretoria do Corinthians acreditaram na versão de Rafael Ramos, de que teria havido confusão devido ao sotaque, por isso o atleta segue integrado, mas o clube também promete apurar e encerrar o vínculo com ele se for o caso.

"Ele foi bastante questionado pelos líderes do elenco, não só os negros, o Willian é um líder do elenco do Corinthians que posta em relação ao racismo, tem o Gil, tem outros negros, mas também os não negros, como Cássio. Foi muito questionado pelos jogadores o que ele falou e ele foi muito firme para o elenco, não titubeou, não gaguejou, se manteve firme na postura de 'eu não vou pedir desculpas porque eu não chamei o rapaz de macaco', o Edenilson no caso", conta Vitão.

"O jeito que ele se posicionou internamente no grupo fez o Corinthians acreditar na versão dele e o que eu acho legal, em nenhum momento desacreditar da versão do Edenilson. A versão que ele manteve no grupo e que foi comprada pelo elenco é que o Edenilson entendeu errado, não que ele inventou um caso. O Corinthians mantém a defesa do atleta, acredita no atleta e por isso reintegrou ao grupo", completa.

O jornalista cita a informação da repórter Luiza Oliveira para o Bandsports direto de Buenos Aires, de que o clube pagará por uma perícia, ressaltando que o posicionamento interno é de não deixar por isso mesmo caso tenha a comprovação de que houve racismo.

"A posição dos jogadores, dos líderes, e da diretoria como um todo foi de acreditar na versão do jogador e por isso ele está com o grupo e o Corinthians não vai tomar nenhuma medida enquanto não sair a apuração. Uma informação trazida ontem pela Luiza Oliveira no Bandsports é que o Corinthians vai pagar um perito paralelo, uma espécie de apuração paralela para ter a versão do clube", diz Vitão.

"Eu tenho a informação interna de que se por acaso for comprovado o racismo, acabou, é rescisão e não joga, o Corinthians não passaria pano", conclui.

Futebol