PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Advogado de Jesus defende técnico em polêmica: 'atire a primeira pedra'

Jorge Jesus, ex-técnico do Flamengo, deu entrevista ao programa "Bem, Amigos" - Reprodução/SporTV
Jorge Jesus, ex-técnico do Flamengo, deu entrevista ao programa "Bem, Amigos" Imagem: Reprodução/SporTV

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

10/05/2022 17h22

O advogado de Jorge Jesus, Luís Miguel Henrique, aproveitou a sua coluna no jornal português Record para sair em defesa do treinador após a polêmica passagem pelo Brasil, em que revelou a sua vontade de voltar ao Flamengo em entrevista ao jornalista Renato Maurício Prado e deu declarações contundentes em participação no programa "Bem, Amigos", exibida ontem (9) no canal SporTV.

Sobre a conversa que teve com o colunista do UOL Esporte durante o jogo do Flamengo contra o Talleres-ARG, na semana passada, Luís Miguel disse que Jesus 'deve ter aprendido mais uma lição da vida e a ter mais cuidado com quem partilha os seus pensamentos'.

"Sobre aquelas que JJ terá produzido num círculo íntimo, atire a primeira pedra quem nunca, em privado, tenha proferido um comentário mais corrosivo a um camarada de profissão. Acredito que JJ (e todos nós) deve ter aprendido mais uma lição da vida e a ter mais cuidado com quem partilha os seus pensamentos", diz trecho da coluna de Luís Miguel.

Em longo texto, o advogado de Jorge Jesus também criticou colegas de profissão e sobrou até para o técnico multicampeão Jose Mourinho, que, segundo ele, não tem moral para falar sobre ética.

Leia a íntegra do texto:

"Declaração de interesses: Sou advogado de JJ. Isto porque o tema de hoje está relacionado com a sua recente ida ao Brasil e respectivas declarações. Divido o impacto das mesmas nas palavras públicas, no programa "Bem Amigos" e nas privadas, que alegadamente fez na casa do Sr. Kléber.

Sobre as primeiras, convido todos aqueles que gostam de pensar pela sua própria cabeça a ver o programa acima referido na íntegra, para que possam de forma fundamentada e imparcial, fazer o seu juízo de valor, sem precipitações.

Sobre aquelas que JJ terá produzido num círculo íntimo, atire a primeira pedra quem nunca, em PRIVADO, tenha proferido um comentário mais corrosivo a um camarada de profissão.

Eu, desde já faço aqui "mea culpa"! Estou fartinho de ver Colegas meus, Advogados e/ou Comentadores na TV e/ou em jornais a quem tenho criticado em ambiente íntimo ou confidente, pois entendo que se tratam de profissionais "fracos, incompetentes, mentirosos, vendidos, moralmente corruptos, vendedores de banha da cobra que não justificam o que ganham…" e sei lá mais o quê que já possa ter dito. Obviamente, publicamente e por respeito tal questão nunca se colocou ou colocará, a não ser que seja necessária a minha defesa ou de alguém a quem me caiba tal função.

Ao longo de destes anos tenho assistido a conversas privadas, de jogadores, treinadores, jornalistas e/ou comentadores que se as partilhasse publicamente, metade dos respectivos colegas não falaria com a outra metade e vice-versa. Às vezes incluindo dentro do próprio clube, jornal e/ou TV. Empresários de futebol a falar mal uns dos outros, em privado e ao telefone com dirigentes ou jornalistas "é mato".

Contudo, nas críticas que li de forma totalmente desmensurada ou de quem não tem legitimidade moral para as fazer, tenho a destacar três personagens: Hugo Cajuda, seu pai Manuel Cajuda e José Mourinho.

Sobre este último, falar de falta de ética é brincadeira. Estamos a falar da mesma pessoa que em 2020 falou com meio mundo, por forma a tentar evitar que JJ fosse contratado pelo Benfica. Apesar da total ausência de ética e porque foi numa conversa privada que teve o azar de ser captada em escuta telefónica, nunca me pronunciei ou ajuizei.

Já quanto ao Hugo Cajuda e seu pai, a coisa é mais delicada, porque os conheço e sempre fui bem tratado. Contudo, tenho o dever de relembrar que quem tem telhados de vidro não deve atirar pedras ao seu vizinho, cabendo-lhes fazer uma análise introspectiva e autocrítica na perspectiva ética e comportamental.

A única intervenção pública do Jorge menos conseguida e sujeita a correcção é aquela que decorreu da explicação mal conseguida sobre a sua saída do Benfica e os termos em que o acordo de rescisão foi alcançado, mas sobre isso estamos conversados.

Em suma, ninguém fica bem na fotografia. Acredito que JJ (e todos nós) deve ter aprendido mais uma lição da vida e a ter mais cuidado com quem partilha os seus pensamentos".

Flamengo