PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro: Chamar Gabigol de pipoqueiro é sem noção, mas reação foi infeliz

Do UOL, em São Paulo

22/02/2022 11h37

Classificação e Jogos

O Flamengo perdeu nos pênaltis para o Atlético-MG o título da Supercopa do Brasil e alguns torcedores questionaram o fato de Gabigol não ter feito a cobrança quando começaram a repetir os batedores, com críticas nas redes sociais chamando o centroavante até de 'pipoqueiro'.

No UOL News Esporte, Mauro Cezar Pereira afirma que é sem noção chamar Gabigol de pipoqueiro, mas também aponta que a reação do jogador nas redes sociais não foi a mais adequada.

"Chamar o Gabigol de pipoqueiro é um negócio muito sem noção porque é justamente o contrário, é um jogador que aparece em jogos grandes, em momentos decisivos, ele passa longe de ser pipoqueiro, muito pelo contrário, aí é uma bobagem", diz Mauro.

"Acho que ele foi muito infeliz na sua ida às redes sociais, colocando lá risadinhas e tudo, não vejo motivo para risadinha nenhuma, o Flamengo foi derrotado, ele é um jogador importante e poderia ter explicado melhor então ali, ficou meio que ironizando, achei que foi extremamente infeliz e acho até grave o que ele cometeu pela maneira como se expressou na rede social, deveriam até conversar com ele sobre isso, sobre o que ele quis dizer com aquilo", completa.

Ao mesmo tempo, o jornalista também afirma que apurou no Flamengo a respeito da estratégia e considera questionável ter deixado Gabigol aguardando para bater o pênalti assim que o Galo perdesse a primeira cobrança nas repetições.

"Pipoqueiro é bobagem. Ao mesmo tempo, se os jogadores tomaram essa decisão, me parece que foi uma decisão extremamente tacanha, porque numa disputa de pênaltis, isso é primário, ainda mais nas cobranças ditas alternadas, você coloca primeiro o seu principal batedor, depois o segundo, o terceiro, o quarto, para que você possa sobreviver na cobrança", diz Mauro.

"Essa estratégia é uma coisa completamente maluca, o Flamengo morreu com o curinga na mão, o melhor batedor não foi utilizado e perdeu, não dá para defender uma estratégia dessa, quem pensou nisso, sinceramente, foi muito mal", conclui.

Futebol