PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Queridinho do Fla, Andreas para na defesa do Cuiabá. E isso é um problema

Colaboração para o UOL, em São Paulo

18/10/2021 04h00

Classificação e Jogos

Apesar do incômodo de Renato Gaúcho com a arbitragem e da má atuação de Gabigol, que passou mal no empate sem gols contra o Cuiabá, dois fatores foram capitais para que o Flamengo tropeçasse na noite de ontem (17): o forte sistema defensivo adversário e a lentidão do meio-campo rubro-negro, representada pela mudança de papel de Andreas Pereira.

Somando boas atuações nos jogos anteriores e aos poucos conquistando o carinho da torcida flamenguista, o camisa 18 atuou mais avançado contra o Dourado de Mato Grosso, e seu deslocamento foi decisivo para a baixa efetividade do ataque dos donos da casa.

Na ausência de Arrascaeta, Renato Gaúcho preferiu utilizar Andreas mais à frente, mantendo Vitinho no banco de reservas até o segundo tempo, e colocou o volante Thiago Maia ao lado de Willian Arão. Diante de um time que foi ao Rio de Janeiro para se defender, que até agora só perdeu uma partida longe de seus domínios, a escolha foi fatal aos interesses do vice-líder do Brasileirão.

Com a entrada de mais um volante e Andreas neutralizado pela marcação, o meio-campo perdeu na criação e o Flamengo até pressionou, mas mal levou perigo ao goleiro Walter.

Andreas Pereira é cercado por jogadores do Cuiabá durante jogo do Flamengo - Jorge Rodrigues/AGIF - Jorge Rodrigues/AGIF
Andreas Pereira é cercado por jogadores do Cuiabá durante jogo do Flamengo
Imagem: Jorge Rodrigues/AGIF

As escassas chances geradas e o excesso de cruzamentos, com o zagueiro Gustavo Henrique entrando como centroavante na etapa final, evidenciaram a carência do setor criativo sem a presença de seus titulares.

Nesse contexto, foi Michael o único destaque positivo do setor ofensivo flamenguista. Ele marcou um gol no início da partida, anulado pela arbitragem em uma decisão polêmica. Nas outras tentativas, embora tenha se movimentado e participado ativamente as ações do Fla, esbarrou na defesa adversária.

Enquanto o ataque rubro-negro sofria em casa, os atletas do Cuiabá se sobressaíram para terminar o duelo no Maracanã com ao menos um ponto.

O meio-campista Pepê foi um dos principais nomes em campo. Segundo dados da plataforma SofaScore, o ex-flamenguista foi quem mais desarmou (4) e mais fez cortes (4) durante os 90 minutos, além de acertar 88% dos passes e ganhar 59% dos duelos disputados.

Já o zagueiro Paulão somou 11 cortes, um desarme e uma interceptação, venceu 71% dos duelos que disputou e terminou o jogo sem fazer faltas ou sofrer dribles.

Com paredão no gol, Cuiabá se prova um visitante indigesto

Passadas 27 rodadas do Brasileirão, o Cuiabá de Jorginho já mostrou qual é sua postura quando atua como visitante, e a escolha do técnico tem surtido efeito. O Dourado é o time que menos perdeu fora de casa, com apenas uma derrota. Até o momento, foram 13 jogos longe de Mato Grosso, com três vitórias, nove empates e um revés, somando 12 gols a favor e nove contra.

Incomodado com o tropeço em casa, Renato Gaúcho alfinetou a forma como o adversário atuou nesse domingo. "É mais fácil fazer uma falta, dar um chutão pra frente, ficar fechadinho. É sempre mais fácil destruir do que construir. Fica difícil quando o adversário se fecha. A gente martelou de todas as formas, mas infelizmente a bola não entrou. Pegamos um adversário que não quis jogar", afirmou o treinador rubro-negro.

Para além de atuar fechando a sólida zaga e explorando os contra-ataques, uma parcela importante do sucesso defensivo da equipe se deve também ao goleiro Walter.

De acordo com o SofaScore, o arqueiro fez 67 defesas em 23 jogos disputados na atual edição da Série A, com uma média de 2,9 intervenções por partida.

Após deixar a reserva de Cássio no Alvinegro Paulista, mudando para a capital mato-grossense no início de março para atuar mais vezes, o ex-corintiano defendeu 78% das bolas chutadas contra ele na competição, e já soma dez confrontos sem ser vazado.

Futebol