PUBLICIDADE
Topo

Vasco

Cervejaria banca 'museu' do Vasco e doará quantia para revitalização

Centro Cultural Cândido José de Araújo: local onde ocorreu a fundação do Vasco ganha apoio de cervejaria - Bruno Braz
Centro Cultural Cândido José de Araújo: local onde ocorreu a fundação do Vasco ganha apoio de cervejaria Imagem: Bruno Braz

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

22/09/2021 04h00

Após ter ficado por um triz de ter sido desativado este ano, o Centro Cultural Cândido José de Araújo, o Candinho, ganhou uma sobrevida. Localizado na zona portuária do Rio de Janeiro, que abrigou a reunião que fundou o Vasco em 1898, ele será beneficiado por uma parceria entre o clube e a cervejaria Brahma, que "bancou" um contrato de aluguel por um ano do estabelecimento.

Porém, para que a sede que serve de museu cruz-maltino tenha as portas reabertas serão necessárias reformas estruturais no espaço, e os departamentos de marketing do Vasco e da empresa elaboraram uma campanha nomeada "Candinho — Nossa História Viva", da qual o torcedor poderá participar contribuindo.

Por meio do aplicativo de entrega Zé Delivery — pertencente ao grupo Ambev — a cada pedido com o cupom BRAHMAVASCO uma contribuição de R$ 5 será doada ao projeto. O objetivo é atingir 14 mil usos para que a revitalização completa do espaço seja garantida. A ideia é que a obra tenha início em novembro.

Coordenador de marketing regional da cervejaria, Gustavo Monteiro citou a força da torcida vascaína em outras campanhas de ajuda ao clube que acabaram fazendo sucesso:

"A torcida vascaína é reconhecida pelo engajamento com o clube e já fez história pelo time em diversos momentos, como na campanha do Centro de Treinamento, dos sócios-torcedores, VasPix, entre outros. No ano em que o Vasco completa 123 anos, precisamos ajudar a manter viva a história mais bonita do futebol. Por isso, a Brahma está convocando todos os torcedores para ajudar na preservação do Centro Cultural Candinho. Temos certeza de que é um grande presente aos apaixonados pelo time e um verdadeiro legado para o Club de Regatas Vasco da Gama."

Renascido com apoio de torcedores

As obras do ano passado no Centro Cultural Cândido José de Araújo foram realizadas graças a doações e trabalhos voluntários de vascaínos. Uma vaquinha online (crowdfunding) foi criada para ajudar no projeto.

Idealizadores do centro cultural também depositaram recursos próprios para que pudessem colocar de pé o objetivo.

Proprietário negociava com uma lotérica

O local, que estava desativado, ficou próximo de se tornar uma lotérica. O proprietário já tinha conversas neste sentido quando recebeu a proposta do grupo que fechou um aluguel de seis meses com opção de compra. Porém, por causa da pandemia, tais vascaínos não conseguiram manter o "Candinho" aberto, e o imóvel ficou muito próximo de ser vendido.

A diretoria de Jorge Salgado assumiu a gestão do Vasco em janeiro de 2021 e passou a negociar a possibilidade de absorver o local como sede, mas somente em um projeto que fosse autossuficiente, algo que acabou acontecendo na parceria com a Brahma.

História confundiu local de fundação

Placa indica casa na Gamboa onde nasceu o Vasco - Reprodução - Reprodução
Placa indica casa no Centro do Rio de Janeiro onde nasceu o Vasco
Imagem: Reprodução

Durante muito tempo, imaginou-se que o local de fundação do Vasco da Gama havia sido em outro lugar. Por causa da dificuldade de registros e documentos, acreditou-se por décadas que a reunião de fundação do clube teria acontecido na sede da Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma, importante reveladora de artistas amadores da época.

Um evento em 2011, com o presidente vascaíno da ocasião, Roberto Dinamite, aconteceu no local para celebrar o feito, inclusive.

Em 1958, houve também uma celebração pelos 60 anos da fundação, e até mesmo uma placa foi inaugurada na sede.

O verdadeiro local foi ser conhecido e revelado tempos depois com a ajuda do historiador vascaíno Henrique Hübner, que já fez parte do Centro de Memória do clube.

Quem foi Cândido José de Araújo?

Candinho, como era conhecido entre os vascaínos, foi eleito em 7 de agosto de 1904, quando o futebol ainda não havia sido instituído no Vasco. Foi com ele que o clube conquistou seus dois primeiros títulos no remo, esporte tradicional da época. O bicampeonato foi fundamental para que o Cruz-Maltino aumentasse seu prestígio no cenário nacional.

Um ano antes de sua posse, foi o homem responsável por captar o maior número de sócios para o clube, feito que o fez receber como honraria uma medalha por sua contribuição ao Vasco.

Cândido José de Araújo, marcado, em um piquenique na Ilha do Engenho, em 1903, quando era tesoureiro do Vasco - Reprodução - Reprodução
Cândido José de Araújo, marcado, em um piquenique na Ilha do Engenho, em 1903, quando era tesoureiro do Vasco
Imagem: Reprodução

Cândido José de Araújo, que era de uma família que ascendeu, se tornou o oitavo presidente do clube apenas 16 anos depois da abolição da escravatura, quando a sociedade carregava um extremo racismo.

"Se relacionava bem com todos"

Historiador do Vasco e ex-diretor do Centro de Memória do clube, Henrique Hübner destacou a personalidade simpática de Candinho. Segundo ele, Cândido foi um presidente que se relacionava bem com todos.

"Era um sujeito afável, que se relacionava muito bem com todo mundo. Era educado, dava ouvido às pessoas... Era um sujeito legal. E esse jeito dele angariava, atraía, então, depois, quando entrou no Vasco, ele fez com que crescesse o quadro social, feito que o fez ganhar uma medalha do clube que correspondia à primeira colocação na quantidade de novos sócios indicados."

Antes de ser presidente, Candinho se tornou o primeiro tesoureiro da história do clube, em 1903.

Escrevente na Central do Brasil

No lado profissional, Candinho era escrevente. Por muito tempo, fez carreira na Central do Brasil, no Rio de Janeiro.

"Candinho era da Central do Brasil. Era um escrevente na época. Se aposentou como chefe de sessão, por volta de 1930, no setor de pensões da Central", destacou Hübner.

Além de escrevente, Cândido chegou a ser coronel da antiga Guarda Nacional, espécie de "força paralela" constituída por civis em defesa da pátria.

53% dos votos

A escolha pelo nome de Centro Cultural Cândido José de Araújo foi expressiva. Ao todo, 53,2% dos 2.786 votos optaram pelo ex-presidente. Em segundo ficou o Centro Cultural Vasco da Gama (26,9%), em terceiro, Sede de Fundação CRVG (10,4%), e em quarto, Casa 21 de agosto.

A sede

A sede fica no Centro do Rio de Janeiro, na região da Gamboa, e serviu de local para a reunião da fundação do Club de Regatas Vasco da Gama, dia 21 de agosto de 1898.

Originalmente, ela se situava na Rua da Saúde, nº 293, mas com as mudanças na cidade, o endereço atual é Rua Sacadura Cabral, nº 345.

"Pequena África"

O bairro da Gamboa, em que está a casa onde o Vasco nasceu, faz parte de uma localidade no Rio de Janeiro que ficou conhecida como Pequena África, que compreende ainda os bairros da Saúde, Santo Cristo e a zona portuária. Fica próxima ao Centro da cidade.

O nome de Pequena África foi dado pelo compositor Heitor dos Prazeres no começo do século 20 e já apareceu em algumas publicações, assim como músicas e enredos de escolas de samba.

A região tem pontos como o Morro da Conceição, a Pedra do Sal, o Largo de São Francisco da Prainha, Cemitério dos Pretos Novos, o Jardim Suspenso do Valongo, e o Cais do Valongo, declarado Patrimônio da Humanidade em 2017, pelo Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

A localidade tem grande importância na história da cultura afro-brasileira. Inaugurado em 1811, o cais foi o principal ponto de desembarque de escravos africanos nas três Américas. Naquela área, que ainda não era urbanizada, eram feitos o trânsito e o comércio de escravos.

Após a proibição do comércio de escravos no Brasil, escravos libertos passaram a trabalhar na região. Na virada do século 19 para o século 20, negros de diversas partes do país foram para a região em busca de trabalho e acolhimento.

Atualmente, há roteiros de visita pelos diversos pontos da Pequena África. Apesar da revitalização de alguns lugares, muitos locais importantes ainda sofrem com os recursos escassos.

Vasco