PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com reservas, Athletico fica no 1 a 1 com Cascavel pela primeira semi no PR

Renato Kayzer disputa a bola pelo Athletico na 1ª semi do Campeonato Paranaense contra o Cascavel - DU CANEPPELE/O FOTOGRÁFICO/ESTADÃO CONTEÚDO
Renato Kayzer disputa a bola pelo Athletico na 1ª semi do Campeonato Paranaense contra o Cascavel Imagem: DU CANEPPELE/O FOTOGRÁFICO/ESTADÃO CONTEÚDO

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/09/2021 17h21

Classificação e Jogos

Utilizando uma equipe alternativa, o Athletico ficou no empate por 1 a 1 diante do Cascavel no primeiro jogo da semifinal do Campeonato Paranaense, na Arena da Baixada. Os dois gols da partida saíram nos acréscimos da segunda etapa na Arena da Baixada: Erick, após cobrança de falta de Jadson, marcou para os donos de casa, e Robinho, de pênalti, deixou tudo igual para os visitantes, no finalzinho.

A volta está marcada para a próxima quarta (8), às 15h20, no Olímpico Regional. Como não há o critério de melhor campanha ou do gol fora, quem vencer irá enfrentar o Londrina na grande decisão. Em caso de uma nova igualdade, o finalista será conhecido nas cobranças de pênalti.

Antes disso, as equipes voltam a campo no final de semana pelo Campeonato Brasileiro. Pela 19ª rodada da Série A, o Furacão recebe o Sport no domingo (5), às 18h15. Já pela 14ª rodada da Série D, a Serpente visita o Joinville no sábado (4), às 15h.

O atraso no Paranaense

Em março, o governo do Paraná suspendeu atividades não essenciais, como futebol, devido ao aumento do número de casos de Covid. Por isso, Campeonato Paranaense não acabou antes do início do Brasileiro e teve as semifinais e a final adiada.

Como o Furacão está disputando a Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana, além da Série A, não havia brechas no calendário para a realização desta partida. Contudo, a CBF adiou as partidas do mata-mata da Copa do Brasil, para que as equipes não atuassem sem os jogadores que foram convocados, e isso permitiu a realização dos dois jogos semifinais contra o Cascavel.

Londrina e Operário conseguiram aproveitar os espaços da Série B no calendário e jogaram o confronto com a ida no dia 9 de junho e a volta em 7 de julho. O Tubarão venceu em casa a primeira partida por 1 a 0 e avançou para a decisão com o empate na volta por 1 a 1.

Sem goleiro no banco

Ricardo era o único arqueiro à disposição do técnico Tcheco para enfrentar o Athletico. Como as inscrições para o estadual acabaram em abril, o reserva Luiz não pode ser relacionado. Orlando, a outra alternativa, ainda se recupera de lesão. Os reforços do Furacão Nicolás Hernández, Lucas Fasson e Pedro Rocha, também não foram relacionados por não estarem inscritos no estadual.

Quem foi bem: Jadson

Com o baixo nível técnico da partida, o veterano Jadson, que já disputou partidas oficiais pela seleção brasileira, foi o destaque. O meia foi preciso nas cobranças de falta e fundamental para que o Furacão anotasse o primeiro gol. Pelo Cascavel, WIllian Simões participou dos três lances criados pela equipe.

Quem foi mal: Jaderson

O atacante do Athletico se escondeu no jogo. Ficou em campo por 45 minutos no primeiro tempo e não buscou a bola em nenhum momento. A atuação apagada fez com que desse espaço para Carlos Eduardo no intervalo.

Pronta para o bote

A Serpente de Cascavel armou uma estratégia clara. Deixou o time da casa comandar a partida, principalmente no primeiro tempo, e tentou ser rápida para criar ações de perigo nos contragolpes. A estratégia foi boa para a equipe do interior, porém deixou a partida muito morna, sem grandes jogadas.

Após o intervalo, Carlos Eduardo tentou, sem sucesso, abrir mais espaços na defesa dos visitantes. António Oliveira procurou encontrar alternativas no banco, porém não tinha tantas peças, já que preservou os principais nomes do elenco.

O Cascavel chegou à marca de 22 jogos sem perder, sendo 12 empates e dez vitórias no período, O desempenho desta quarta comprova que o ex-meia Tcheco soube montar um time bem equilibrado e muito difícil de ser batido.

É para que lado?

Zé Ivaldo ,volquase marcou contra aos 8 minutos, quando tentou cortar o cruzamento de Rogério. Ainda no primeiro tempo, o Rubro-Negro teve suas melhores oportunidades com Léo Cittadini, que bateu fraco aos 30 e para muito longe quatro minutos depois.

O mesmo Zé Ivaldo, aos 18 do segundo tempo, voltou a mandar contra o próprio gol, ao cortar o cruzamento de Willian Gomes. A bola subiu demais e foi para escanteio. Na sequência da jogada, Rogério ganhou de Thiago Heleno e cabeceou por cima da meta.

Pausa no vestiário é positiva

A intensidade no primeiro tempo foi muito baixa. O confronto teve seus melhores momentos nos minutos iniciais da segunda etapa. Carlos Eduardo entrou com muita vontade e empurrou o Rubro-Negro ao ataque, arriscando com perigo aos 10. A postura mais agressiva do Athletico propiciou ao Aurinegro mais espaços, e WIllian Simões já havia batido cruzado aos 7, ameaçando o goleiro Anderson.

A partida voltou esquentar nos minutos finais. Jadson, aos 37, obrigou o goleiro Ricardo se esticou todo para conseguir tirar do gol. O jogador, em nova cobrança aos 47, achou Erick nas costas da marcação. O volante cabeceou firme para abrir o placar.

Quando a vitória parecia encaminhada, Willian Gomes foi derrubado por Carlos Eduardo dentro da área. O árbitro não titubeou e marcou o pênalti. Na cobrança, Robinho bateu na esquerda e Anderson saltou para direita, deixando tudo igual no placar novamente.

Ficha técnica

ATHLETICO 1 x 1 CASCAVEL
Data: 01/09/2021
Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR);
Hora: 15h20 (de Brasília);
Árbitro: Leonardo Sígari Zanon (PR);
Auxiliares: André Luiz Severo (PR) e Roberto Rivelino Dos Santos Junior (PR).

Gols: Erick, aos 47' do segundo tempo, para o Athletico, e Robinho, aos 50' do segundo tempo, para o Cascavel.

Cartões amarelos: Afonso e Robinho (CAS).

Athletico: Anderson; Khellven (Juninho), Thiago Heleno, José Ivaldo e Nicolas (Márcio Azevedo); Erick, Fernando Canesin (João Pedro), Léo Cittadini e Jadson; Jaderson (Carlos Eduardo) e Renato Kayzer (Vinícius Mingotti). Técnico: António Oliveira.

Cascavel: Ricardo; Afonso, Lucas e Willian; Libano, Duda (Diego Giaretta), Henrique, Robinho e William Simões; Rogério (Douglas) e Léo Itaperuna. Técnico: Tcheco.

Futebol