PUBLICIDADE
Topo

Futebol

'Torcida não ficava satisfeita com 2 a 0', diz Emerson sobre Real Madrid

Emerson, nos tempos de Real Madrid - John Walton - EMPICS/PA Images via Getty Images
Emerson, nos tempos de Real Madrid Imagem: John Walton - EMPICS/PA Images via Getty Images

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/07/2021 12h57

O ex-jogador Emerson, revelado pelo Grêmio e com passagens de sucesso por Roma e Juventus - além da seleção brasileira -, afirmou que não se adaptou em um dos grandes clubes que defendeu: o Real Madrid.

O ex-meio-campista disse que, após seis anos no futebol italiano, não conseguiu se acostumar à mentalidade do clube espanhol. Na opinião de Emerson, até mesmo a cobrança da torcida era exagerada sobre a equipe.

"Passar pelo Real Madrid foi uma experiência muito mais de vida que de campo. Eu acho que muitos jogadores tem o sonho de jogar pelo Real Madrid, pelo Barcelona. A ida do Capello facilitou muito, ele pediu minha contratação. Eu fui respaldado por um cara que eu conhecia, mas encontrei muitas dificuldades de adaptação, a Espanha é totalmente diferente da Itália", disse em entrevista ao Resenha ESPN.

"Eu estava há muito tempo na Itália, acostumado à cultura, à maneira de trabalho e quando eu cheguei no Real Madrid, eu tive uma dificuldade muito grande para me adaptar à mentalidade. A mentalidade do todo, do que as pessoas pensavam sobre futebol, como o torcedor vê o futebol. Às vezes, a gente ganhava de 2 a 0 e a torcida não estava satisfeita. Na Itália, ganhar de 0,5 está ótimo. Na Espanha tinha que golear. Não tinha sossego. Cada jogo era uma exigência enorme", continuou.

Saída conturbada da Roma

Na Itália, Emerson defendeu a Roma entre 2000 e 2004, ano em que se transferiu para a Juventus. A mudança de clube não foi bem aceita pelos torcedores do time da capital italiana. De acordo com o ex-jogador, além da rivalidade entre as equipes, o fato de ele ser uma liderança no elenco pesou para deixar os os fãs chateados.

"A minha saída da Roma foi muito difícil. O torcedor da Roma é muito apaixonado e não aceita quando o jogador é transferido para outro clube italiano. Realmente fica uma situação bem complicada para quem sai. Quando eu saí e recebi a proposta da Juventus, foi muito difícil. Eu recebi muitas contestações. O pessoal foi bem radical comigo nessa situação", avaliou.

"Eles não entenderam minha saída porque eu fui para um clube que tinha uma rivalidade grande, a Juventus. A torcida não aceitou de maneira alguma e eu entendi no momento porque eu estava há quatro anos na Roma. E eu estava dentro da equipe como uma liderança - claro que o capitão era o Totti -, mas eu conquistei isso. As pessoas me respeitavam muito", continuou.

Emerson explicou, porém, que sua decisão de trocar o clube por um rival tinha a ver com uma promessa feita pelo presidente a ele e com o fato de a Roma atravessar uma situação financeira difícil na ocasião.

"Mas tinha outras coisas. O presidente havia prometido me vender, o clube estava em uma situação muito difícil e o presidente não quis vender porque era para Juventus. Ele voltou atrás com a promessa, mas eu quis sair, cobrei o que havia sido combinado. E aí deu confusão", completou.

Futebol