PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com 2 expulsos, Athletico perde invencibilidade e ponta; Bahia entra no G4

Jogadores do Bahia comemoram gol sobre o Athletico pelo Brasileiro - Jhony Pinho/AGIF
Jogadores do Bahia comemoram gol sobre o Athletico pelo Brasileiro Imagem: Jhony Pinho/AGIF

Colaboração para o UOL

24/06/2021 23h31

Classificação e Jogos

O Athletico deixou escapar a invencibilidade e a liderança do Brasileirão ao ser derrotado, na noite de hoje (24), pelo Bahia por 2 a 1, no estádio Pituaçu, em Salvador. O Furacão ainda teve dois jogadores expulsos ao longo da partida, Richard e Marcinho, além do treinador António Oliveira. O resultado positivo levou o Tricolor de Aço ao G4.

O placar deixa o Athletico na segunda colocação, com 12 pontos somados. O Red Bull Bragantino, que venceu o Palmeiras na última quarta-feira (23), assumiu a ponta do torneio nacional, com 14 pontos, e o único invicto no Nacional. Já o Bahia chegou aos 11 pontos e assumiu a quarta colocação.

Na próxima rodada, o Athletico recebe a Chapecoense, na Arena da Baixada, domingo (27), às 20h (de Brasília). Já o Bahia viaja até São Paulo para enfrentar o Palmeiras, no Allianz Parque, no mesmo dia e horário.

Athletico tem problemas

O Furacão entrou em campo com problemas na escalação. O atacante Matheus Babi, um dos destaques do time paranaense neste início de Brasileirão, suspenso, não entrou em campo na noite desta quinta-feira. O técnico António Oliveira escalou para a vaga Renato Kayser, que já foi um dos destaques da equipe.

Apesar de ser uma das sensações do Brasileirão neste início, o Athletico enfrentou problemas nos primeiros minutos, uma vez que o Bahia conseguiu ser mais agressivo e chegou com qualidade. O Furacão não encontrou alternativas.

Richard chora

Aos 12, ao levantar muito o pé, o volante Richard foi expulso ao acertar o meia Rodriguinho, do Bahia. O volante foi, no mínimo, imprudente na jogada. As câmeras flagraram o jogador chorando na saída do gramado, chateado o vermelho. Esse foi o terceiro cartão vermelho do Furacão nesta temporada. Antes de Richard, Lucas Halter e Thiago Heleno já haviam ido para o vestiário mais cedo.

Bahia aproveita a superioridade

Enquanto o técnico António Oliveira ainda pensava o que fazer, o Bahia aproveitou o maior número de atletas em campo e foi em busca do primeiro gol. Em cobrança de escanteio, aos 16 minutos, Rossi colocou na cabeça de Patrick de Lucca, que desviou a bola para o canto esquerdo do goleiro Santos.

Em desvantagem, o treinador português promoveu a mudança para organizar novamente os visitantes. Léo Cittadini entrou na vaga do zagueiro Zé Ivaldo. O Bahia também alterou, mas neste caso por ordem médica: Conti precisou sair mais cedo e deu vaga a Luiz Otávio.

Bahia tira o pé

Apesar de ter um jogador a mais, o Bahia mudou a postura em campo. A equipe passou a segurar mais o jogo, respeitando muito o Athletico. O Furacão queria o empate e, mais organizado em campo, buscou a igualdade. Com duas linhas bem colocadas no momento defensivo, o time paranaense o empate.

Aos 39, David Terans recebeu a bola de Abner, limpou o lance, tirou a marcação da jogada e chutou cruzado para fazer 1 a 1.

Furacão volta melhor

O Athletico voltou para o segundo tempo melhor no jogo. A equipe paranaense conseguiu ser mais organizada em campo e teve mais qualidade em suas ações. As tomadas de decisão da equipe de António foram melhores e o Bahia sofreu com a pressão, mesmo com um a mais em campo.

O castigo

O Furacão foi melhor durante a maior parte do segundo tempo. Aos 22, o Athletico conseguiu chegar com muito perigo, em um forte chute de fora da área, em forte chute de Christian que bateu no travessão.

Porém, dois lances na sequência, o Bahia voltou a ter vantagem no placar e quase ampliou. Em cobrança de escanteio, a bola sobrou para Gilberto. O atacante deu um toque para tirar Santos, e Rossi apareceu no segundo pau para mandar para o fundo das redes. Além disso, com mais uma expulsão, a de Marcinho, o clube da casa passou a ficar mais no campo de ataque.

Destaque para o goleiro Santos, que fez importantes defesas e evitou um placar ainda pior para o Furacão.

O Bahia ainda perdeu a chance de marcar mais um aos 38, em cobrança de falta de Rossi que tocou o travessão.

FICHA TÉCNICA:

BAHIA 2 x 1 ATHLETICO
Data e hora: 24/06/2021 (quinta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Local: estádio Pituaçu, em Salvador (BA)
Árbitro: Antonio Dib Moraes de Sousa (PI)
Assistentes: Rogério de Oliveira Braga e Márcio Iglésias Araújo Silva (ambos do PI)
VAR: Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN)
Cartões amarelos: Thonny Anderson e Daniel (BAH); Erick (CAP)
Cartão Vermelho: Richard, Marcinho e António Oliveira (CAP)
Gols: Patrick de Lucca (BAH), aos 16/1° tempo, e Rossi, aos 25/2° tempo (BAH); David Terans (CAP), aos 39/1° tempo

BAHIA: Matheus Teixeira; Nino Paraíba, Conti (Luiz Otávio), Juninho e Juninho Capixaba; Patrick (Jonas), Thonny Anderson, Daniel e Rodriguinho; Rossi (Thaciano) e Maycon Douglas. Técnico: Dado Cavalcanti

ATHLETICO: Santos; Pedro Henrique, Thiago Heleno, José Ivaldo (Léo Cittadini) e Marcinho; Richard, Christian (Jadson), Abner e David Terans; Vitinho (Erick) e Renato Kayser. Técnico: Antônio Oliveira

Futebol