PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Perrone: Limite de técnicos é boa ideia, mas brasileiro sabe driblar regras

Do UOL, em São Paulo

25/03/2021 04h00

Classificação e Jogos

A CBF divulgou ontem a tabela do Campeonato Brasileiro 2021 e também novidades em relação ao regulamento, sendo a principal o limite de trocas de treinadores pelos clubes durante a competição, mudança que visa diminuir a alta rotatividade que a competição teve nos últimos anos, com recordes de demissões e contratações de técnicos durante a disputa.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte com os jornalistas Isabella Ayami, Renato Maurício Prado, Ricardo Perrone e Rodrigo Mattos, Perrone comenta a novidade e aprova a iniciativa da CBF, embora considere que o melhor seria o bom senso dos dirigentes de clubes para que não fosse necessária a imposição por meio de uma regra.

"Eu acho que o espírito da regra é bom, porque isso virou um grande problema. Não é só a questão da qualidade técnica do time e do tempo de trabalho, isso virou um problema financeiro muito grande, porque tem clubes que pagam quatro e até cinco treinadores ao mesmo tempo, então isso precisa ter um limite", diz Perrone.

"Agora, o ideal seria que os dirigentes já tivessem o bom senso, aí como não tem bom senso, alguém vem com uma regra. Seria melhor que ninguém interferisse na decisão da gestão, da diretoria, mas como isso não aconteceu, a CBF toma essa iniciativa, acho uma boa iniciativa?, completa.

Por outro lado, devido ao histórico do futebol brasileiro, o jornalista tem dúvidas se não os dirigentes não tentarão encontrar formas de burlar a regra para que seja mantida a troca de treinadores sem a limitação da CBF.

"Mas a gente sabe que o brasileiro é muito criativo para driblar as regras, a gente já falou aqui algumas possibilidades. De repente também não sei se vão começar a investir naquele treinador da base, aquele treinador fixo, ter um cara mais encorpado ali para nessas situações tocar com esse cara, enfim, algum jeito de dar um olé nisso aí os caras vão arrumar, certeza", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol