PUBLICIDADE
Topo

Corinthians

Diretor explica dívida, dinheiro do Pedrinho e fala em Corinthians forte

Yago Rudá

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/03/2021 12h42

Classificação e Jogos

Diretor financeiro escolhido pelo presidente Duílio Monteiro Alves, Wesley Melo concedeu entrevista coletiva hoje para anunciar o contrato com a Falconi, empresa de consultoria especializada em gestão empresarial. O dirigente do Timão abordou outros assuntos de sua pasta, abriu detalhes da dívida do clube, falou sobre a possibilidade de contratações para o elenco principal e afirmou que o clube não abrirá mão de ser competitivo.

Melo explicou que o Corinthians possui uma dívida na casa dos R$ 900 milhões e que o clube trabalha internamente para reduzir custos. A proposta assinada no orçamento deste ano é de cortar 20% em todos os departamentos do Timão - o que já vem sendo realizado no futebol profissional com as saídas de sete jogadores (Mauro Boselli, Sidcley, Ederson, Walter, Jonathan Cafú, Marllon e Matheus Davó).

"O clube tem um orçamento para 2021. Ele pode não ter sido preparado por essa gestão, mas ele está sendo rigorosamente seguido e ele prevê o corte de 20%. A redução está sendo feita, tudo está sendo feito respeitando a redução da disciplina orçamentária", afirmou o dirigente.

No acordo assinado com a Falconi, a empresa de consultoria ficará responsável por investigar as finanças do clube e propor soluções para os problemas internos do Corinthians. A tendência é de que haja cortes no clube do Parque São Jorge. Mesmo assim, Wesley Melo garantiu que a equipe de futebol será competitiva nas próximas temporadas.

"A Falconi está sendo contratada para nos ajudar a não só encontrar ineficiências, mas também canalizar investimento no canal correto. Ainda em dezembro a gente imaginava qual posição o Corinthians poderia ficar (no Brasileirão). Na última rodada, poderíamos ficar do 8º ao 12º lugar e acabamos terminando em 12º, isso nos deu uma diferença de R$ 5 milhões (de premiação). O Corinthians precisa ter um time competitivo.

Estamos usando os jogadores da base, todo mundo ficou orgulhoso do Rodrigo Varanda, e é isso que o Corinthians vai fazer. Isso vai alavancar o clube em visualização e exposição de marca. O Corinthians vai sempre competir. Temos essa preocupação e entendemos que temos uma capacidade limitada de investimento, mas o futebol não é um custo, é um investimento", cravou o diretor financeiro do Corinthians.

Confira a entrevista completa de Wesley Melo:

Sobre a parceria com a Falconi e prováveis mudanças internas

"A análise da Falconi é sempre técnica. Nós conhecemos o nosso clube, mas estamos trazendo a Falconi para trazer oportunidades de reduções de custos. Pode passar por um corte de pessoas? Eventualmente sim, mas não é esse o objetivo. Há um trabalho no clube para que cada modalidade seja autossustentável. Com o trabalho de fora da Falconi, a gente vê a oportunidade de fazer uma redução efetiva nos custos. Um clube que sempre foi administrado de uma maneira e agora vem uma mudança. O nosso propósito maior é fazer um Corinthians grande, um Corinthians sustentável, um Corinthians com capacidade grande de investimentos".

Sobre a dívida da Neo Química Arena

"Só explicando um pouco melhor para uma pessoa que talvez não tenha o detalhe. Temos duas contabilidades, uma do clube e outra da arena. A da arena é administrada por um fundo, A gente precisa primeiro concluir as negociações com a Caixa que estão na fase final de negociação, e também a questão da Odebrecht. Estamos dependendo de uma reunião para definir o plano de recuperação da empresa. Depois disso, temos que definir o que pode ser feito. Neste momento, não pensamos em nenhum tipo de alteração. Precisamos resolver a negociação com a Odebrecht e também com a Caixa".

Qual o tamanho da dívida do Corinthians?

"Vamos ser sempre transparentes. Estamos estudando internamente como divulgar o mais rápido possível, os balancetes. Podemos até fazer uma nova coletiva para explicar. A dívida está em torno de R$ 900 milhões, com exceção da arena. Estamos reduzindo os gastos em torno de 20%. Cada área, cada departamento do clube já recebeu o seu orçamento, e temos um sistema de governança para saber se temos algum estouro".

O Corinthians trará reforços?

"Quanto ao futebol, eu não entro no mérito. É muito técnico. Mas o presidente e o Mancini estão falando sobre nossa capacidade limitada de fazer investimentos. A disciplina orçamentária e financeira é prioridade. Pode ser que a gente contrate, pode ser que a análise técnica do professor Mancini evidencie que precisamos de um ou dois reforços, mas tem também a análise técnica financeira".

O Corinthians recebeu a totalidade do dinheiro do Pedrinho? E o usou para quitar as dívidas com o elenco?

"Boa parte do dinheiro do Pedrinho já chegou e foi usada para pagar dívidas passadas. O salário dos jogadores que estava atrasado e nós botamos em dia, foi usado para isso. Falta uma pequena parte, quase a totalidade nós já recebemos, e usamos com contas do passado e não com contas do presente".

Sobre possibilidade de volta do público e retorno da renda de bilheteria

"O orçamento original prevê uma pequena receita de bilheteria. Nós apostamos que no final do ano de 2021 já possa ter a volta da presença da torcida. Mas é um valor pequeno e não impacta no balanço financeiro do clube. A receita de bilheteria fica no orçamento do estádio, e não do clube. Entra na nossa conta por uma questão demonstrativa. O orçamento será revisitado pela Falconi. Tenho a esperança de que o país avance na vacinação e talvez tenhamos renda de bilheteria".

Corinthians