PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Cruzeiro tropeça no Mineirão, perde para Caldense e mantém sina de 2020

Matheus Neris, do Cruzeiro, não foi bem na partida contra a Caldense - Fernando Moreno/AGIF
Matheus Neris, do Cruzeiro, não foi bem na partida contra a Caldense Imagem: Fernando Moreno/AGIF

Do UOL, em Belo Horizonte

03/03/2021 23h28

Classificação e Jogos

Muda ano, muda time, muda treinador, mas não muda uma coisa: o Cruzeiro não consegue render bem em casa. Com uma sina que dura desde o ano passado, quando foi um dos piores mandantes da Série B, a Raposa tropeçou mais uma vez em seus domínios, dessa vez, ao perder por 1 a 0 para a Caldense, hoje (3), pela segunda rodada do Campeonato Mineiro. O gol da Veterana foi marcado por Amarildo nos primeiros minutos do confronto.

Com o resultado, o time celeste segue sem vitórias no Estadual, com dois jogos, um empate e uma derrota. A Caldense empatou uma partida e chega à sua primeira vitória na competição.

O triunfo da Caldense marca um grande feito, já que volta a vencer o Cruzeiro no Gigante da Pampulha após 26 anos. A última vez que havia triunfado em cima da Raposa na capital mineira foi em 1995.

O próximo jogo do Cruzeiro é contra a URT, no sábado (6), às 21h (de Brasília), no estádio Zama Maciel, em Patos de Minas. Já a Caldense recebe o Patrocinense, no mesmo dia, às 19h, no Ronaldão, em Poços de Caldas.

O Jogo

O Cruzeiro, em seu primeiro jogo em casa na temporada 2021, mostrou a mesma característica que ficou marcada no ano passado: dificuldade nas partidas em seus domínios. Antes dos dez minutos iniciais, a Raposa já estava em desvantagem no placar, o que seria apenas um aperitivo para os problemas que o time celeste teria na etapa inicial.

Apesar de o Cruzeiro tentar trocar mais passes e de segurar mais a bola, foi a Caldense que criou o maior número de boas oportunidades de gol nos 45 minutos iniciais. Se a casa do mandante havia caído com Amarildo, foi por muito pouco que o prejuízo não aumentou.

Salvo pela trave

Quando não era o goleiro Fábio, a trave é que ajudava a impedir outro gol da Caldense. Bruno Oliveira se destacava com boa presença na meia-ofensiva e dando muito trabalho à defensiva cruzeirense. Com passes "quebra-linhas", colocava os companheiros em ótimas condições de finalizar. Foi assim no primeiro gol. E ele teve participação destacada também em uma jogada inacreditável aos 36 minutos. Primeiro foi o camisa 1 da Raposa que fez excelente defesa no chute do meia. Depois, na sobra, o próprio camisa 8 acertou o travessão em um chute colocado, mostrando o quão desnorteada e desorganizada estava a defesa cruzeirense.

Mais volume

A Caldense fez um primeiro tempo bem consistente e foi melhor. Mais organizada, deu muito trabalho, apesar de o Cruzeiro também ter tido algumas oportunidades de gol. As melhores delas com o zagueiro Ramon, que cabeceou de frente para o gol, mas mandou para fora, e com Willian Pottker. O atacante desperdiçou chance claríssima na frente do goleiro, após falha bisonha do zagueiro do time de Poços de Caldas.

Desorganizado

O Cruzeiro mais pareceu um junta-junta em campo, sem organização e buscando o ataque de forma desenfreada, principalmente no segundo tempo. Com o prejuízo no placar, o técnico Felipe Conceição arriscou e colocou o time todo para frente depois dos 20 minutos da etapa final. Isso deu espaço para a Caldense, que estava muito fechada no campo defensivo e usava a tática famosa de "jogar por uma bola".

Cartão sem jogar

Um fato inusitado marcou o jogo aos 17 minutos do segundo tempo. O zagueiro Eduardo Brock, um dos contratados para esta temporada e que ainda nem sequer estreou no Cruzeiro, levou cartão amarelo na área de aquecimento por reclamar acintosamente contra o árbitro Ronei Cândido Alves.

Quem foi bem: Bruno Oliveira e João Paulo

O camisa 8 da Caldense foi uma das principais peças do jogo, dando passes importantes —inclusive a assistência para o gol— e participando ativamente de lances importantes no ataque. Já o goleiro João Paulo fez defesas importantes e impediu boas oportunidades do Cruzeiro.

Quem foi mal: Matheus Neris

Atrasado nas jogadas, sem "pegada" no meio de campo. Completamente envolvido pela meia-ofensiva da Veterana.

Cronologia do jogo

Aos 9 minutos do primeiro tempo, a Caldense abriu o placar. Em disputa de bola no meio-campo, Marcinho foi derrubado e o juiz mandou o lance seguir. Na sequência, Amarildo recebeu passe enfiado no meio da zaga cruzeirense, ganhou na corrida e chutou forte: 0 a 1.

Confusão no fim

Após o apito final, houve confusão entre jogadores do Cruzeiro e da Caldense. O árbitro precisou intervir e aplicou cartões vermelhos para tentar segurar os ânimos, que ficaram aflorados.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 0 X 1 CALDENSE

Motivo: 2ª rodada do Campeonato Mineiro
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e horário: 3 de março de 2021 (quarta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Ronei Cândido Alves
Assistentes: Guilherme Dias Camilo e Samuel Henrique Soares Silva
Gol: Amarildo, aos 9' do primeiro tempo
Cartão amarelo: Eduardo Brock, Alan Ruschel, Manoel, Pottker (CRU); Dênis, João Paulo, Danilo Belão (CAL)
Cartão vermelho: Dênis (CAL); Felipe Augusto (CRU)

CRUZEIRO: Fábio; Raúl Cáceres, Manoel, Ramón e Alan Ruschel (Matheus Pereira); Matheus Neris (Adriano), Matheus Barbosa (Thiago) e Marcinho (Claudinho); Pottker, Felipe Augusto (Airton) e Sóbis. Técnico: Felipe Conceição.

CALDENSE: João Paulo; Danilo Belão, Jonathan, Morais e Verrone; Tonini (Guilherme Martins), Lucas Silva, Bruno Oliveira e David Lazari (Rincón); Rafael Peixoto (Dênis) e Amarildo. Técnico: Marcos Paulo Grippi.

Cruzeiro