PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Com futuro indefinido, Chávare valoriza projeto da base do Atlético-MG

Júnior Chávare chegou ao Atlético-MG em maio de 2019 e aguarda definição sobre sua permanência no clube - Pedro Souza/Atlético-MG
Júnior Chávare chegou ao Atlético-MG em maio de 2019 e aguarda definição sobre sua permanência no clube Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

13/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

A mudança de presidência no Atlético-MG — saída de Sérgio Sette Câmara e entrada de Sérgio Coelho — tem promovido importantes mudanças no clube, principalmente no departamento de futebol. Depois da troca de Alexandre Mattos por Rodrigo Caetano na diretoria da pasta, há possibilidade de alterações no organograma das categorias de base, chefiado atualmente por Júnior Chávare.

Ainda sem uma definição se permanecerá ou não no Galo, Chávare segue realizando o seu trabalho na Cidade do Galo. Nesta semana, o time sub-20 do Atlético-MG garantiu vaga no Campeonato Brasileiro da categoria e vai disputar o título com o Athletico. O Galinho fará o jogo de ida em Belo Horizonte, domingo (17), e a partida de volta será em Curitba, no dia 24.

"É um trabalho que começou a ser desenvolvido desde o ano passado, com a reestruturação da equipe. Nós havíamos feito uma projeção do ano passado de termos atletas jogando tanto o Campeonato Mineiro quanto os campeonatos nacionais. No fim, com a pandemia e sem as realizações dos torneios regionais, conseguimos suprir a necessidade do Sampaoli, lembrando que temos em média 15 atletas com idade de sub-20 participando do time de transição", comentou Chávare em entrevista ao UOL Esporte.

Nem mesmo o sucesso do Galinho, que pode ser coroado com um importante título nos próximos dias, garante a permanência de Chávare no clube. Em entrevistas recentes, o presidente atleticano Sérgio Coelho falou sobre o que pensa para as categorias de base do Galo.

"Às vezes, buscar até uma consultoria externa, para fazer um planejamento de como fazer captação, da melhor maneira possível, de atletas bem novos (...) Hoje, os atletas chegam ao clube, muitas vezes, com idade de 16, 17, 18 anos. No meu entendimento, acredito que eles têm que chegar com 7, 8 anos", analisou.

No Brasil há legislação que proíbe jovens abaixo de 14 anos terem ligações com clubes de futebol. O que poderia ser um impeditivo para os planos de Sérgio Coelho. Entre 14 e 20 anos, os jovens atletas podem assinar contratos de formação esportiva, e os clubes são obrigados por lei a assinar contratos profissionais com os jogadores a partir de 16 anos.

Chávare, que ainda não teve uma conversa oficial com o presidente atleticano, segue com suas atribuições e trabalhando no dia a dia. Recentemente, o dirigente passou por uma situação complicada por causa da Covid-19, mas se recuperou bem e voltou às atividades.

"Conseguimos fazer um trabalho que permitiu manter a qualidade, muito pelo rodízio e a parceria com a equipe de transição do Sampaoli. Mas, muito também pelo trabalho desenvolvido pela comissão técnica e os colaboradores. A grande importância que vemos nisso é mostrar que o trabalho feito com seriedade, pragmatismo e dentro de uma projeção a curto, médio e longo prazo, com certeza nos faz chegar aos objetivos", comentou.

Sobre a grande decisão com o Athletico, Chávare mantém boa expectativa pela conquista, o que coroaria ainda mais o trabalho atual que é desenvolvido na base alvinegra.

"Esperamos agora essa final, que é um jogo muito difícil, realmente. Mas o fato de você chegar à final depois de uma reestruturação que foi feita no Galo, praticamente um ano de trabalho, porque contando pandemia e férias nos fez perder sete meses nisso tudo. É muito importante para o projeto, mas mais importante ainda para a marca Atlético-MG, que consegue reconquistar o respeito na categoria de base", finaliza.

A decisão

Focado na decisão contra o Furacão, que já tem o primeiro jogo no próximo domingo (17), o lateral esquerdo Vinícius Nogueira disputará a decisão pela segunda vez consecutiva, já que em 2019 foi vice-campeão com a camisa do Palmeiras.

"É muito gratificante ser finalista do Brasileiro sub-20 pela segunda vez consecutiva. A sensação de viver isso novamente é única. Nenhuma final é igual à outra. Sempre tem algo diferente", disse.

"A gente tem praticamente uma semana para treinar e chegar preparados à partida. Vamos com a mente tranquila e focados, sabendo o que fazer em campo. Estamos com o pensamento positivo e confiantes que temos condições de conquistar o campeonato", finalizou Vinicius.

Atlético-MG