PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: "A dúvida é como Diniz e o elenco do São Paulo reagirão à eliminação"

Do UOL, em São Paulo

31/12/2020 04h00

O São Paulo fecha o ano de 2020 como líder do Brasileirão a 11 rodadas do fim da competição, que vai até 24 de fevereiro, mas com uma série de eliminações, no Campeonato Paulista para o Mirassol, na fase de grupos da Libertadores, na Sul-Americana e agora na Copa do Brasil, com o empate de ontem (30) no Morumbi diante do Grêmio. E assim o técnico Fernando Diniz tendo a missão de evitar que o resultado possa afetar o time na única competição que o restou.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte — com os jornalistas Luiza Oliveira, Menon e José Trajano —, Renato Maurício Prado critica o desempenho de Diniz no comando do São Paulo em competições de mata-mata e questiona o quanto a queda na Copa do Brasil pode afetar o time na reta final do Campeonato Brasileiro.

"Em mata-mata, o nosso amigo Diniz é um desastre. Porque ele foi eliminado em todos os mata-matas que ele disputou. Ele foi eliminado pelo Mirassol, ele foi eliminado na fase de grupos, mas que era mata-mata praticamente da Libertadores e foi eliminado na primeira da Sul-Americana. E completou a quarta eliminação sendo eliminado pelo Grêmio", diz Renato.

"A minha grande dúvida é a seguinte, como é que esse elenco do São Paulo e o próprio Diniz vão reagir a essa eliminação? Porque ninguém contava com essa eliminação. São Paulo e Grêmio, o Grêmio acabando de ter tomado uma traulitada do Santos na Libertadores, o São Paulo, em princípio, era o grande favorito desse duelo, tudo bem que o Grêmio ganhou o primeiro jogo lá no Sul, mas em um jogo em que o São Paulo foi muito melhor do que ele, então a sensação que se tinha pelo futebol que os dois times vinham jogando era que o São Paulo reverteria isso no Morumbi, ou pelo menos levaria para os pênaltis, mas ganharia o jogo", completa.

O jornalista afirma que a atuação do São Paulo na partida contra o Grêmio lembrou os piores momentos do time na temporada, com muita posse de bola, troca de passes, mas sem levar perigo ao gol adversário.

"O São Paulo de hoje lembrou os piores momentos do Fernando Diniz, não só no São Paulo, mas na carreira dele, o famoso arame liso, pega a bola, toca, toca, toca e não machuca ninguém, o São Paulo hoje não machucou nenhuma vez o Grêmio, a verdade é essa. Apesar da posse de bola, o São Paulo hoje foi absolutamente inofensivo ofensivamente", diz Renato.

"O São Paulo foi absolutamente neutralizado, o Renato Gaúcho pegou o Diniz e botou no bolso 'fica aqui quietinho'. Porque as melhores chances no jogo inteiro foram do Grêmio, uma bola na trave e uma bicicleta do Diego Souza que passou raspando, fora outro chute do Pepê no primeiro tempo que foi lá bem perto do ângulo", completa.

Ainda em relação ao que se pode esperar de o resultado negativo afetar ou não o elenco do São Paulo, o jornalista também aponta o fato de a responsabilidade aumentar no momento em que só restou o Campeonato Brasileiro para disputar e acredita que será uma grande decepção caso o time termine a temporada sem nenhuma conquista.

"Então a minha grande curiosidade é a partir de agora o que vai acontecer, até porque, agora, de fato, o Brasileiro virou obrigação. Se o São Paulo com esses sete pontos perder esse Brasileiro, o ano do Fernando Diniz terá sido desastroso, porque ele terá jogado fora todas as possibilidades de título. E que ele, é bom lembrar, não tem título nenhum na carreira ainda. Na primeira divisão o Fernando Diniz é virgem, então ele precisa e precisa muito desse Brasileiro agora. Quero ver como é que vai reagir com essa pressão nova que surge", afirma Renato.

"Acho que o Fernando Diniz tem que parar, pensar, agora ele vai ter só uma competição, mas acho que ele errou contra o Fluminense ao usar todos os titulares, principalmente o Luciano, e ele agora vai ter que equilibrar isso aí para a frente, vai ter que se virar nos 30, porque ele continua sem título nenhum e o São Paulo também sem título nenhum na década tirando aquela Sul-Americana, e olhe lá, o que é muito pouco para um time supercampeão, tricampeão mundial, tricampeão da Libertadores", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol