PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Reinaldo reclama de arbitragem em jogo do SPFC: "É passível de anulação"

Jogadores de São Paulo e Ceará discutem com o árbitro Wagner Magalhães - Kely Pereira/Kely Pereira/AGIF
Jogadores de São Paulo e Ceará discutem com o árbitro Wagner Magalhães Imagem: Kely Pereira/Kely Pereira/AGIF

Do UOL, em São Paulo

25/11/2020 21h42

O lateral esquerdo Reinaldo, do São Paulo, saiu de campo bastante irritado após o empate em 1 a 1 contra o Ceará, hoje (25), no Castelão. Isso porque o árbitro Wagner Nascimento Magalhães cometeu uma grande confusão ao mudar de decisão duas vezes em um gol anotado pelo são-paulino Pablo, que acabou, por fim, anulado por impedimento. Entretanto, como o árbitro já havia autorizado o reinício da partida antes da última revisão que fez da jogada, pela regra ele não poderia mais voltar atrás.

"A reclamação é que o juiz autorizou o reinício do jogo, validando nosso gol, e depois ele volta atrás, do nada? O VAR deu o gol e depois ele foi procurar outra coisa no lance? Isso não existe. Eu não sei o que vai acontecer com esse jogo. Tenho certeza que nossa diretoria vai falar com a CBF, porque isso não pode acontecer, isso é passível de anulação do jogo. Eu nunca tinha visto isso", desabafou o camisa 6.

O raciocínio de Reinaldo tem bastante fundamento. Segundo o comentarista de arbitragem Salvio Spínola, que participou da transmissão da partida no canal Premiere, a partida deverá ter um terceiro tempo nos tribunais.

"O gol realmente é irregular, tem impedimento, mas o Wagner Magalhães confirmou o gol. Ele fala com o VAR e confirma o gol pelas imagens. Depois ele pega a bola, autoriza o reinício do jogo, e o que diz a regra? O jogo para ser reiniciado após o gol, tem que ter um apito. Ele indiscutivelmente apita e autoriza, aí a bola rola e o VAR o pede para esperar novamente, mas a bola já estava em jogo", afirmou.

Durante a transmissão, Sálvio relembrou do caso que aconteceu no Brasileirão do ano passado, quando o Botafogo queria a anulação do jogo contra o Palmeiras por entender que um pênalti foi marcado após o árbitro autorizar o reinício.

"A gente pode lembrar do famoso jogo do ano passado entre Palmeiras e Botafogo, o lance do Deyverson que foi até para o tribunal, o tribunal julgou, e o árbitro argumentou que por ser cartão amarelo, como está na regra, ele não tinha apitado autorizando o reinício do jogo. No jogo de hoje, o Wagner Magalhães autorizou a saída da bola no meio do campo, confirmou o gol e a equipe do Ceará deu o tiro de saída. A bola se movimentou e entrou em jogo. O que diz a regra? O árbitro não pode voltar atrás de uma decisão técnica depois que o jogo reiniciou. O jogo reiniciou", disse Sálvio.

Com o empate, o São Paulo não alcança a liderança do Brasileirão e se mantém na terceira posição, com 38 pontos em 20 jogos. Já o Ceará, com 26 pontos em 22 partidas, ocupa a 15ª colocação da competição nacional.

Futebol