PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Nova alimentação é segredo de Thiago Silva para continuar em alta aos 36

Zagueiro chegou hoje (9) à Granja Comary para dois compromissos da seleção pelas Eliminatórias - Lucas Figueiredo/CBF
Zagueiro chegou hoje (9) à Granja Comary para dois compromissos da seleção pelas Eliminatórias Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Do UOL, em São Paulo

09/11/2020 14h45

Classificação e Jogos

A seleção brasileira se apresentou hoje (9) à Granja Comary para iniciar a preparação para as próximas rodadas das Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar, contra a Venezuela (sexta-feira, às 21h30, no Morumbi) e o Uruguai (na terça, dia 17). Mais velho entre os 24 convocados pelo técnico Tite, o zagueiro Thiago Silva contou em entrevista coletiva um de seus segredos para continuar em alto nível aos 36 anos.

"Quando você tem uma idade já avançada dentro do futebol acaba que se cuida um pouco mais na parte alimentar. Eu me alimentava muito mal, hoje em dia me alimento bem. Para estar em alto nível e desempenhando o que o Chelsea quer e a seleção precisa tenho que estar 100% para fazer aquilo que me é questionado em campo", discursou o veterano.

Thiago Silva vive a seleção principal desde 2007 e hoje em dia sua idade é usada como motivo de contestação para a convocação. Em 2020/2021, sua ida para o Chelsea virou um argumento favorável à convocação - ainda mais pelo bom início, que teve até o primeiro gol marcado no último sábado (7). Em um dos principais clubes do Campeonato Inglês ele é titular e intocável. Graças às mudanças de hábito.

"Eu tenho um estafe pessoal que me acompanha de dois anos para cá, mais ou menos, e conseguiu mudar um pouco minha rotina alimentar. Eu comia muita besteira, principalmente pós-jogo, até antes, e sabemos que futebol de alto nível você precisa se cuidar de todos os lados. Em dado momento me deu o estalo de que tinha que continuar rendendo. Preparação, prevenção, treinamentos, eu fazia normal. O que não fazia era parte alimentar", discursou o ex-zagueiro de Fluminense, Milan e Paris Saint-Germain.

Ele tem contrato com o Chelsea até o meio de 2022, mas já pensa em renovação. Isso ajudará no ciclo até a Copa do Mundo do Qatar: "Feliz de estar chegando à Premier League com bons números e atuações convincentes e dando continuidade na seleção brasileira, que é meu objetivo. Minhas atuações e performances em campo me farão permanecer aqui, mas o que importa é o presente, me dedicar ao máximo nas Eliminatórias com o objetivo de classificar para a Copa e depois vemos o que acontece."

Thiago Silva  - Getty Images - Getty Images
Thiago Silva comemora gol do Chelsea sobre o Sheffield United, no último sábado
Imagem: Getty Images

Veja outras declarações de Thiago Silva:

Dois próximos jogos

"Em se tratando de Eliminatórias são confrontos sempre muito complicados, temos uma recém-partida contra a Venezuela na Copa América, na Fonte Nova, empate em 0 a 0, eles propuseram muita dificuldade defensivamente porque se fecham bem. Teve mudança de treinador, desconvocação por Covid. São duas grandes equipes. Em casa vamos procurar mandar no jogo, fazer o que fazemos no Brasil, e fora sabemos como o Uruguai é forte no Centenário, a qualidade do nosso rival lá. Não será como nas Eliminatórias passadas, quando vencemos por 4 a 1. Espero que a gente possa manter performance, principalmente contra os maiores rivais."

Relação com Lampard

"Quando eu estava para assinar com o Chelsea, dei ok, ele [Lampard] me mandou uma mensagem com uma foto de um cumprimento nosso no Maracanã, no amistoso entre as seleções do Brasil e da Inglaterra, cada um capitão de uma seleção. Para mim foi uma surpresa grande, eu não me lembrava desse jogo. Hoje ser treinado por ele com certeza não esperava, fico feliz que ele tenha gostado tanto do meu trabalho, espero fazer da melhor maneira possível para ajudar o Chelsea e a seleção. Para mim é motivo de orgulho ser treinado por atleta que joguei contra e foi um dos maiores meio-campistas do mundo. Para mim é muito alegre dividir vestiário, trocar ideia, procuro ajudá-lo de todas as maneiras."

Escolas italiana, francesa e inglesa

"São três escolas no meu modo de ver muito diferentes. Tive aprendizado muito grande na Itália, na minha opinião importante para a fase defensiva. Tive professores como Maldini e Nesta. Depois consequentemente no Campeonato Francês um pouco mais físico, mais forte, embora o PSG tivesse domínio com seus adversários jogávamos mais expostos por arriscar mais, adversários sempre velozes na frente. Os dois últimos jogos que joguei na Inglaterra saí com dor de cabeça, jogadas aéreas a todo momento, constância, ritmo de jogo muito elevado. Vamos tirando um pouco de cada escola e colocando em prática para ajudar os mais jovens. Estou aprendendo na Premier League, mais ao longo desse ano, e esperar possível renovação."

Casemiro, Marquinhos e Thiago Silva comemoram gol do Brasil contra a Bolívia - Miguel Schincariol/CBF - Miguel Schincariol/CBF
Casemiro, Marquinhos e Thiago Silva comemoram gol do Brasil contra a Bolívia em outubro
Imagem: Miguel Schincariol/CBF

Mudanças na convocação

"É uma situação muito difícil que estamos passando, lesões vão acontecer, jogadores infectados pelo Covid, e precisamos ter peças para suprir essas ausências. Acho que nesse aspecto o Tite fica muito tranquilo, no radar deles têm 40, 50 jogadores que podem ser convocados sempre. Mas tem que convocar 23, dessa vez 24. Acredito que a base sendo preservada a gente consegue dar continuidade ao nosso modo de jogo, passar situações que os mais novos ainda não têm dominadas, passando nossa experiência. E o Tite e a comissão em vídeos coloca todos dentro do mesmo propósito para termos o mesmo rendimento de sempre."

Aproximação com a torcida

"É difícil ter parâmetro hoje. Amistosos pós-Copa América não foram tão bons, rendimento não foi o mesmo. Reiniciando as Eliminatórias elevamos o nível e isso automaticamente aproxima a torcida da seleção, embora não possa estar no estádio nos observando e empurrando. Mas futebol é feito de resultados, sabemos da responsabilidade, a cobrança mesmo em casa é a mesma e temos que desempenhar o melhor que pudermos, isso vai nos aproximar ainda mais. A Copa aparentemente está longe, mas ao mesmo tempo está perto e se não tivermos boas apresentações nas Eliminatórias será difícil chegar no Mundial."

Ciclo para 2022

"Todos os grupos que eu peguei, gerações desde meu início aqui, tinham jogadores com responsabilidades grandes e consequentemente desempenhando seu melhor em cada clube. Em nenhuma dessas gerações vi jogadores tristes aqui, pelo contrário, sentimos falta. Na última convocação falei que não sei até quando vou ficar aqui, mas vou aproveitar como se fosse o último. Essa mentalidade passamos aos mais jovens. Em 2010 eu era o mais novo, em 2014 um dos mais velhos e hoje disparado o mais velho. É motivo de orgulho permanecer na seleção tanto tempo e rendendo, fico feliz com o que faço aqui dentro e é o que falo sempre: comprometimento é grande."

Futebol