PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Coudet cria concorrência para parceiro de Galhardo no Inter; veja as opções

Abel Hernández marcou contra o Athletico Paranaense e deve seguir endo utilizado - Fernando Alves/Fernando Alves/AGIF
Abel Hernández marcou contra o Athletico Paranaense e deve seguir endo utilizado Imagem: Fernando Alves/Fernando Alves/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

14/10/2020 04h00

Classificação e Jogos

Eduardo Coudet ainda não tem totalmente definido quem é o parceiro de Thiago Galhardo no ataque do Inter. A bateria de testes já teve Fernández, Hernández, D'Alessandro, Peglow, Pottker e agora Yuri Alberto. Contra o Sport, hoje (14), às 21h30 (de Brasília), no Recife, o escolhido buscará sequência ao lado do goleador do Brasileiro.

Incontestável no 11 ideal do treinador argentino está Galhardo. Com 13 gols no campeonato, ele lidera o ranking de finalizações e passes para conclusões no time. Além disso também tem três assistências, totalizando 16 participações diretas em gols.

Mas o posto de parceiro segue vago e cada alternativa do comando técnico possui uma peculiaridade a ser explorada.

Centroavante tradicional: Abel Hernández

Abel Hernández foi contratado para suprir a carência aberta com a lesão de Paolo Guerrero, que não atuará mais nesta temporada. O plano de trazer o uruguaio era que ele rapidamente se consolidasse na frente.

Ainda que tenha oscilado um pouco no período de adaptação, Abel é quem está mais perto de ser considerado titular. Hoje, contra o Sport, será o parceiro de Galhardo na linha de frente. Com imposição física, velocidade, presença de área, ele já marcou três vezes pelo Colorado e ainda auxilia na pressão à defesa rival — uma das características preferidas pelo técnico Eduardo Coudet.

Meia de origem: D'Alessandro

D'Alessandro é meia de origem, mas na temporada sempre atuou como segundo atacante. Sem características para "rechear" a área rival ou imposição física para fazer pivô, jogando de costas para a defesa do oponente, o argentino é opção para conservação da posse de bola e para trabalhar na criação de jogadas.

D'Alessandro, quando utilizado, deixa Galhardo como único responsável pela profundidade do time e trabalha quase na linha de meio, ampliando a chance de um passe diferenciado ou drible para desestabilizar o setor defensivo.

Chute e bola parada: Leandro Fernández

Leandro Fernández não abraçou a oportunidade que teve como titular. Eduardo Coudet escolheu seu compatriota para começar o jogo contra o América de Cali, pela Libertadores, na Colômbia. Além de não aparecer muito no setor ofensivo, ele acabou expulso ao revidar uma provocação.

Com a bola nos pés, o ex-jogador do Independiente se notabiliza pela boa conclusão de fora da área. Fernández não tem receito de tentar o gol e o aproveitamento em chutes de longe agrega um diferencial à equipe. Ele ainda é considerado valioso em cobranças de falta e escanteio.

Potencial para deslanchar: Peglow

Peglow tem apenas 18 anos e já carrega grande expectativa. Destaque na conquista do Mundial sub-17 pela seleção brasileira no ano passado, ele ganhou algumas oportunidades no Inter mas foi atrapalhado por lesões. O Colorado vê nele potencial para deslanchar, mas ainda trata com cautela para garantir melhor transição entre base e principal.

Velocidade e força: Pottker

Pottker esteve perto de ser vendido pelo Inter. A direção gaúcha até chegou a aceitar uma proposta do futebol turco, mas detalhes impediram a concretização do acordo. Ainda que não esteja totalmente descartada uma saída do clube, o atacante voltou aos planos de Eduardo Coudet e foi utilizado.

Em campo, o goleador do Brasileiro de 2016 agrega velocidade e força. É um jogador que pode ser decisivo recebendo em profundidade. No entanto, ainda não deu argumentos para seguir sendo utilizado.

Investimento e expectativa: Yuri Alberto

O Inter investiu alto em Yuri Alberto. Contratado do Santos por R$ 10 milhões, pagos com auxílio de investidor, o jogador não conseguiu somar muito tempo em campo no início da trajetória em Porto Alegre. Com uma lesão, ficou afastado de atividades por um longo período.

De volta, entrou no jogo contra o Athletico Paranaense e mostrou qualidades. Aproveitando os minutos que teve — quase marcando um gol — ele aumentou a esperança de que possa agregar vitalidade, conclusão e capacidade ofensiva ao grupo.

Outras opções

Coudet já utilizou outros jogadores na frente. Marcos Guilherme, que é preferencialmente meia, Léo Ferreira, que participou da partida contra o Fortaleza, entre outros jogadores. No entanto, a chance de permanência deles como parceiros de Galhardo na frente é remota.

Internacional