PUBLICIDADE
Topo

Desafiar Juventus é pouco: "Petulante" Rabiot peitou Neymar e Ibrahimovic

Adrien Rabiot com a camisa da Juventus durante amistoso  - Daniele Badolato/Juventus FC via Getty Images
Adrien Rabiot com a camisa da Juventus durante amistoso Imagem: Daniele Badolato/Juventus FC via Getty Images

João Henrique Marques

Colaboração para o UOL, em Paris

13/05/2020 10h34

A retomada de atividades da Juventus, em Turim, foi marcada por uma polêmica: a ausência de Adrien Rabiot. O meio-campista permaneceu na França, alegando não ter notificação oficial do clube para retornar, e irritou os dirigentes. O fato é um novo episódio em uma coleção de problemas do jogador de 25 anos, que já se estranhou com Zlatan Ibrahimovic, Neymar e outros brasileiros do Paris Saint-Germain.

O governo da Itália ainda obriga qualquer pessoa que entre no país a cumprir quarentena, algo que fará a reapresentação de Rabiot ser adiada para o fim do mês. Cristiano Ronaldo, por outro lado, voltou de Portugal na semana passada, e já tem treino com o grupo marcado para o dia 18.

Rabiot carrega na Juventus o status de contratação equivocada. Ele tem contrato até junho de 2023 com o clube e é dono do quinto maior salário do futebol do país, ganhando cerca de R$ 47,8 milhões por ano. Em campo, na temporada de estreia, foram apenas 11 jogos no Campeonato Italiano, sendo somente quatro como titular. Ele ainda não tem gols nem assistências pela equipe.

Briga com Ibrahimovic

Formado no PSG, Rabiot colecionou embates com diretoria e elenco no clube francês. O desgaste gerou até mesmo seu afastamento do time profissional durante os últimos seis meses de seu contrato, no ano passado.

O comportamento arredio de Rabiot foi logo percebido. Em 2015, então aos 19 anos, o meio-campista causou espanto no clube quando xingou o sueco Zlatan Ibrahimovic em campo: "Cala a boca seu filho da p...", flagrou a câmera de uma emissora de televisão.

"Eu não gosto de injustiças e reagi desta forma por ser cobrado. Mas me entendi com ele no vestiário posteriormente", explicou depois o meio-campista.

Crise com brasileiros

O incômodo do grupo de brasileiros do PSG com Rabiot envolvia atrito com o Thiago Silva, conforme apurou o UOL Esporte. O francês chegou a questionar internamente o zagueiro como capitão por julgar o colega excessivamente nervoso em campo. Por ser formado no clube, o meio-campista dizia no vestiário merecer o mesmo respeito de jogadores experientes do elenco, Daniel Alves e Buffon. Em intervalos de jogos importantes, tinha como hábito discursar.

"É importante em momentos tensos que os jogadores tomem a palavra para acalmar e trazer mensagens positivas. Alguns jogadores precisam ouvir isso, e não necessariamente precisa ser gritando. O Ibrahimovic, mesmo que eu não goste de tudo que ele fez, foi um líder. Ele era muito forte para receber mensagens", afirmou Rabiot, em entrevista ao L'Equipe na temporada passada.

Desafeto de Neymar

Quando Neymar promoveu festa de aniversário em fevereiro do ano passado em Paris, Rabiot foi um dos poucos jogadores do PSG que não compareceu. Seu convívio com o camisa 10 costumava ser de poucas palavras, e o francês mais próximos dos compatriotas Areola e Kimpembe, do italiano Verratti e do alemão Draxller.

Pouco tempo depois, após Rabiot ser punido pelo clube francês por se atrasar para uma preleção, a mãe e empresária do jogador, Veronique, defendeu o filho criticando a maneira com que o PSG tratava Neymar.

"Há jogadores que perdem seis minutos de conversa por causa de um cochilo, e outros que estão lesionados, mas podem ir para o Carnaval do Rio do outro lado do mundo", disse.

Ela se referia a episódio de 2018, quando Neymar foi liberado pelo clube a fazer dez dias do tratamento da fratura no quinto metatarso do pé direito no Brasil e aproveitou duas noites de Carnaval, uma na Bahia e outra no desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro.

Provocação ao PSG

Rabiot acreditava não ter a valorização merecida no PSG. Sem aceitar a renovação contratual oferecida, viveu dias de irritação enquanto esteve afastado. O estopim para o fim da relação veio em 2019, quando o jogador foi às redes sociais para curtir postagens que tiravam sarro da eliminação do time da Liga dos Campeões e ainda foi vista em festas no momento em que o grupo estava se recuperava emocionalmente da derrota para o Manchester United.

A quantidade de problemas em que Rabiot esteve envolvido fez o jornal esportivo L'Équipe trazer hoje (13) reportagem de capa sobre a decisão do jogador de não voltar aos treinos na Juventus com a manchete "Rabiot, ainda ele".

Futebol