PUBLICIDADE
Topo

Santos

Robinho aconselhou Dorival após não de Ganso em 2010: "André tá uma b..."

Robinho foi um dos responsáveis pela "não" contratação de Dorival Júnior neste ano - Divulgação/Santos FC
Robinho foi um dos responsáveis pela "não" contratação de Dorival Júnior neste ano Imagem: Divulgação/Santos FC

Eder Traskini e José Edgar de Matos

Colaboração para o UOL, em Santos

02/05/2020 04h00

No dia 2 de maio de 2010, dez anos atrás, o Santos conquistava o Campeonato Paulista em final tensa contra o Santo André. O Peixe teve três expulsos e viu Ganso se tornar o protagonista do duelo, demonstrando rara habilidade, ao segurar a bola no campo de ataque, e coragem, ao dizer não ao técnico Dorival Júnior que iria substituí-lo.

O treinador santista da época iria colocar o zagueiro Bruno Aguiar no jogo para fechar o sistema defensivo após a terceira expulsão. O não de seu camisa 10 deixou o comandante sem ação por um momento, mas o atacante Robinho, que já havia saído da partida, ajudou o técnico a tomar uma decisão de uma maneira muito sincera.

"O Ganso tinha crescido muito nos últimos 15 minutos, feito o lance de rolar a bola no escanteio... É natural que ele tenha falado não. Deve ter sido pra mim, o Bruno (Aguiar) fala que foi para ele e até hoje não sei. Não vou mentir pra vocês: eu fiquei sem ação. Quem estava atrás de mim na hora era o Robinho e ele virou pra mim e falou 'professor, já que o Ganso não quer sair, tira o André que ele tá uma b...' e eu não pensei duas vezes", contou Dorival aos risos em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Foi assim que o não de Ganso entrou para a história e o Peixe faturou o estadual que seria o início da caminhada que culminaria no título da Libertadores no ano seguinte. Porém, a decisão controversa de Dorival Júnior de escolher Ganso para ser substituído tem explicação: "15 minutos antes, tinha saído uma falta e ele falou que estava morto".

"Ele era o único que estava prendendo bola e eu falei que ele iria ficar, não podia tirar ele. Tivemos, então, a terceira expulsão e eu tinha acabado de colocar o André em campo. Cinco minutos antes o Sérgio (técnico do Santo André) tinha colocado o Rodrigão e eu imaginei que precisava de mais alguém dentro da área para dar sustentação, até porque tinha perdido um volante. Tinha só Arouca na marcação, com Ganso e André na frente. Pensei: vou tirar o Ganso, coloco o Bruno Aguiar atrás, encaixo o Arouca e trago o André que tinha acabado de entrar para compor", explicou Dorival.

O técnico diz não ter ficado chateado com o camisa 10 pela "insubordinação". Para Dorival, Ganso não desrespeitou o treinador. "Não foi desrespeitosa. Fizeram uma celeuma toda, levantaram uma situação... Ao invés de valorizarem a atuação do Santo André, a forma como o Santos ganhou, com jogadores expulsos. Não, preferiram falar da situação do Ganso que parecia mais importante do que a conquista do Campeonato Paulista. Depois do jogo, eu nem queria mais saber dessa história", lembrou Dorival.

Comandado por Dorival Júnior, o Peixe anotou 72 gols naquele ano no Paulistão e levantou o troféu que seria o primeiro de Neymar e Ganso na carreira. Meses depois, o Santos conquistaria a Copa do Brasil também sob a batuta de Dorival. O treinador deixou o clube em setembro daquele ano, quando a diretoria decidiu por sua demissão após confusão com Neymar.

Santos