PUBLICIDADE
Topo

Por que SporTV exibe jogos clássicos da seleção sem narração original

Petit comemora com Zidane após marcar contra o Brasil na final da Copa do Mundo de 1998 - Matthew Ashton/Empics/Getty Images
Petit comemora com Zidane após marcar contra o Brasil na final da Copa do Mundo de 1998 Imagem: Matthew Ashton/Empics/Getty Images

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju (SE)

09/04/2020 04h00

Desde que foi forçado a mudar drasticamente sua programação por conta dos efeitos da pandemia da Covid-19, o SporTV tem como uma de suas apostas de audiência a exibição de jogos antigos da seleção brasileira em Copas do Mundo. Os repetecos dão sustância a sua nova atração na grade, a "Faixa Especial". Um ciclo que começou com o Mundial de 1998 e agora resgata partidas da impactante edição de 1982.

Mas uma pergunta ficou no ar: por que as partidas estão sem narração original? O SporTV tem feito as transmissões com sua equipe atual, escalando nomes como Gustavo Villani, PVC, Júlio Oliveira, Sérgio Arenillas e Everaldo Marques. Eles assumem o microfone, no lugar de Galvão Bueno ou até mesmo de Luciano do Valle, que era o titular da Globo para cobrir a seleção até o ano de 1982.

A escolha passa por alguns motivos. O fator ao vivo é um deles. Caso uma notícia urgente ocorra, o narrador escalado para fazer a reprise atualizará o noticiário durante a transmissão. Uma prova disso ocorreu nesta terça (7), quando, durante a exibição de Brasil x União Soviética, pela Copa de 1982, Júlio Oliveira falou sobre a ida de Ronaldinho Gaúcho para a prisão domiciliar no Paraguai.

Além disso, a série tem sido importante para manter um mínimo de produção na casa. Serve também para rodar seus narradores e comentaristas, que ficariam parados, assim como estão fora do ar as competições esportivas. Everaldo Marques, por exemplo, que é titular da NBA, estreou em uma partida de futebol no Grupo Globo durante as reprises da Copa de 1998.

A "Faixa Especial" tem sido tratada como um "produto premium" nesse período de pandemia. Ou seja, é um dos maiores atrativos do canal esportivo da Globo para manter uma boa audiência nos atuais tempos e tem funcionado no atual formato.

As reprises estão dando certo da atual forma. Dados apurados pela reportagem do UOL Esporte mostram que o SporTV tem conseguido ficar entre os dez canais pagos mais vistos da TV por assinatura durante a "Faixa Especial". Mesmo assim, nas redes sociais, existem muitas criticas em relação à falta da transmissão original.

Atualmente, o Esporte da Globo está funcionando com equipe reduzida. Desde o início da pandemia do coronavírus, mais de 80 profissionais entre repórteres, produtores e editores de texto foram transferidos do Esporte para o Jornalismo, para reforçar a cobertura. Lívia Laranjeira, André Gallindo e Ana Helena Goebel são alguns desses profissionais emprestados.

Futebol