PUBLICIDADE
Topo

Aos 41, campeão mundial Souza volta à sua terra e lidera estadual invicto

Todo o peso das medalhas de Souza, agora a serviço do Murici, líder do Alagoano  - Bruno Fernandes/UOL
Todo o peso das medalhas de Souza, agora a serviço do Murici, líder do Alagoano Imagem: Bruno Fernandes/UOL

Bruno Fernandes e Josué Seixas

Colaboração para o UOL em Maceió (AL)

14/03/2020 04h00

Foi ao fim da entrevista que Willamis de Souza Silva, o Souza, teve de voltar a Murici, município do interior de Alagoas, para se preparar para o jogo deste sábado. Viaja sozinho os 40 minutos na estrada e agradece por ter encontrado força para jogar futebol em bom nível aos 41 anos de idade.

Ele está atuando pelo time local, que é líder do Campeonato Alagoano, invicto após cinco rodadas, superando os favoritos CSA e CRB. Hoje (14), o desafio será contra o CSE. Campeão mundial pelo São Paulo em 2005, Souza voltou a Alagoas pensando em encerrar a carreira. Agora, nem pensa nisso —ainda há bola para correr e passes para lançar.

Mesmo estando em forma, o jogador que começou sua carreira nos campos de barro batido da favela Sururu de Capote, na periferia de Maceió, admite que não consegue mais "bater de frente" com jogadores novos. Porém, sabe que sua maior contribuição hoje no clube não é a habilidades, muito menos a velocidade. Mas, sim, a experiência.

"Sei que não consigo disputar bola no corpo com um garoto novo desses do CSA, por exemplo, mas também não adianta ter no time vários jovens com velocidade que não sabem o que fazer com a bola. Uma hora o campo acaba e quando estou no clube sempre tento passar algumas dicas para os que querem", explica o jogador, que já tem sondagens de clubes para o resto da temporada

A volta ao Campeonato Alagoano

Divulgação/Murici F.C.
Imagem: Divulgação/Murici F.C.

Souza é natural de Maceió e começou na base do Azulão. Venceu o Estadual de 1999 e alçou voos mais altos. Tem uma carreira de impacto. Depois do CSA passou por Botafogo, Grêmio, Paris Saint-Germain, Cruzeiro, mas foi no São Paulo que se consagrou. Conquistou dois títulos brasileiros, um Paulistão, Libertadores e Mundial. Antes de fechar com o Murici, o último clube do alagoano foi o Bagé-RS, no ano passado.

A verdade é que tudo indicava que o Bagé seria o último clube da carreira, até que recebeu proposta do Murici, clube que possui apenas um título do estadual (2010). Na atual temporada, o time tem seis gols marcados e tenta destronar adversários tradicionais do alagoano.

"Eu trouxe o filho de um amigo para treinar no clube, gostei e fiquei, eles me fizeram uma proposta. Eu estava pronto para anunciar minha aposentadoria em novembro do ano passado, mas vi que ainda tinha muito o que contribuir para o futebol em Alagoas".

Souza ainda não balançou a rede pelo Murici, mas é um dos principais articuladores da equipe. Surpreso com o rendimento físico, afasta a possibilidade de se aposentar. Seu contrato com o clube do interior de Alagoas vai até o fim do estadual, mas há a possibilidade de seguir jogando e alguns clubes já sondam seus valores para o resto da temporada.

Bruno Fernandes/UOL
Imagem: Bruno Fernandes/UOL

Título pode ter um gosto especial

Em 2018, Souza esteve perto de voltar ao CSA. O presidente do clube, Rafael Tenório, chegou a dizer que havia 90% de chances do acerto, mas as negociações pararam no meio do caminho. Segundo o dirigente, o meia não havia conseguido a liberação do Brasiliense.

O jogador, entretanto, movia um processo contra o clube alagoano, e uma das condições para que a negociação desse certo era de que CSA e atleta chegassem a um acordo. Mesmo depois de um acerto, porém, o assunto da contratação foi deixado de lado. Souza, de todo modo, diz que tem o desejo de se aposentar pelo CSA.

"É o meu time de coração, junto com o São Paulo. Queria muito encerrar a carreira por lá, mas hoje não deixaria de jogar em um clube rival, como o CRB, por causa disso. Uma coisa que sempre prezei em minha carreira foi o profissionalismo. Hoje, estou muito feliz aqui no Murici, mas acho que um título contra o CSA seria interessante", contou o meia.

Nesta volta a Alagoas, foi o jogo contra o CSA o que mais o empolgou, inclusive. O Murici venceu por 1 a 0. "Eu não entrei no jogo pensando na oportunidade que não tive de jogar no CSA neste fim de carreira. É mais porque acho que as pessoas podem pensar: 'Nossa, nós poderíamos estar com ele aqui', sabe? Eu conseguiria manter um bom desempenho na Série A, no time do ano passado".

E a base, Alagoas?

Celeiro de nomes como Marta, Roberto Firmino, Aloísio Chulapa, Adriano Gabiru, Pedrinho, Pepe, Willian José e Geyse, entre outros grandes do futebol brasileiro, o futebol alagoano tem hoje uma pendência. Os clubes que os revelaram deixaram de investir na base, e em pessoas da própria terra. Hoje, arcam com o prejuízo e pouca visibilidade. A opinião é do próprio Souza, uma dessas revelações.

Os times, segundo o campeão mundial, poderiam ter rendimentos melhores se soubessem investir na base, mas 'o CRB montou um CT muito longe, é difícil difícil de algum garoto novo chegar lá e o CSA está investindo menos. Se pegarmos os elencos, preferem contratar novatos de outras equipes", analisa.

Ele acrescenta ainda que, com a mudança do CT para outra região do estado, por causa dos problemas de rachaduras em bairros da capital, o jogador jovem se afastará mais ainda do clube. Souza, quando menino, morava perto do campo e economizava passagens com isso.

"Quando vejo um alagoano ganhando destaque hoje é por que saiu cedo daqui do Estado e não teve oportunidade de crescer em algum time daqui", lamenta o meia.

Depois da partida contra o CSE, o Murici enfrentará o CEO, no dia 28, pela última rodada da fase de grupos do campeonato. Já garantido na próxima fase, o clube pode enfrentar novamente o CSE na abertura da fase de mata-mata. CRB e CSA estão em segundo e terceiro respectivamente e podem se enfrentar para também decidir uma vaga na final.

O fim do campeonato ainda vai demorar um pouco, mas Souza está confiante de que o Murici pode ser campeão. Ao fim da entrevista, ele garantiu que uma nova matéria seria feita dali a algumas semanas.

"Podem marcar, vocês vão voltar aqui na minha casa quando formos campeões".

Bruno Fernandes/UOL
Imagem: Bruno Fernandes/UOL

Futebol