PUBLICIDADE
Topo

Praia, futevôlei e 'bombeiro': Como Diego Souza preparou volta ao Grêmio

Diego Souza do Grêmio comemora gol contra o Internacional e início fulminante no Grêmio - Pedro H. Tesch/AGIF
Diego Souza do Grêmio comemora gol contra o Internacional e início fulminante no Grêmio Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Jeremias Wernek e Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

21/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Diego Souza contou, em entrevista ao UOL Esporte, como preparou sua volta ao Grêmio.
  • O jogador realizou treinamentos na praia, jogou futevôlei e esteve sob comando do personal trainer Bombeiro enquanto esteve sem clube.
  • Em três jogos, ele soma três gols pelo time de Porto Alegre. Aproximadamente um gol a cada 68 minutos em campo.
Classificação e Jogos

Diego Souza tem três gols em três jogos pelo Grêmio. Com 205 minutos em campo, o atacante soma um gol a cada, aproximadamente, 68 minutos com a camisa azul, branca e preta. Essa boa arrancada pode ser explicada por uma preparação que contou com uma combinação de praia (sim), futevôlei (isso, mesmo) e o Bombeiro.

Mas, não: nesse terceiro quesito, não estamos falando sobre aquele profissional responsável por, entre outras coisas, apagar incêndios. Trata-se, sim, do apelido do personal trainer que ajudou o jogador no período sem clube, desde que se desligou do Botafogo.

"Eu fiz academia e a parte aeróbica fazia na praia, jogo futevôlei também. No futevôlei eu aliei o hobby com esse treino. Eu tinha um personal, o Bombeiro, e ele me deu assistência para chegar bem, chegar e acelerar um pouco o processo", contou Diego em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Diego tinha 11 minutos em campo quando marcou seu primeiro gol pelo Tricolor, contra o Esportivo. Depois vieram outros contra Aimoré e Inter. No clássico, de cabeça, ele colocou o Tricolor na final do primeiro turno do Estadual.

"Eu imaginei o melhor possível, né? Era um momento que eu buscava, que eu precisava. Quando recebi a chance, dei valor e estou me dedicando e focado para fazer dar certo. Estou feliz aqui e vou dar meu melhor", afirmou.

E os treinos na areia, sob comando do Bombeiro, se refletem no rendimento em campo, na avaliação dele.

"Essa preparação, por mais que tenha sido sozinho e chato, me ajudou bastante para eu ter confiança. Ajudou muito no processo de eu dizer sim quando o Renato me perguntou se eu estava pronto", completou.

O treinador poderá ser até parceiro de futevôlei no futuro. Renato Portaluppi também pratica o esporte que ajudou seu centroavante a entrar em forma.

"Eu sempre brinquei, sempre joguei. É bem melhor que pelada por não ter contato, então, se lesionar é muito mais difícil. O futevôlei melhora fundamento de cabeceio, domínio a qualidade no toque na bola", explicou.

O tal fundamento do cabeceio já terminou nas redes duas vezes, talvez reflexo do treino na areia.

Grêmio