PUBLICIDADE
Topo

Agora no Atlético-MG, Dudamel elogia futebol colombiano: "exemplo tático"

Rafael Dudamel, novo treinador do Atlético-MG, diz se inspirar no futebol colombiano - Divulgação/Atlético-MG
Rafael Dudamel, novo treinador do Atlético-MG, diz se inspirar no futebol colombiano Imagem: Divulgação/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

08/01/2020 15h48

Rafael Dudamel foi apresentado pelo Atlético-MG na tarde de hoje. O venezuelano foi confirmado por Rui Costa e falou sobre os seus planos na Cidade do Galo. Com dois anos de contrato, ele espera montar um time com atletas jovens para obter triunfos.

Rui Costa foi o primeiro a se manifestar sobre a contratação do treinador: "Que tenhamos um ano repleto de trabalho, mas com muito sucesso, porque é o que o nosso torcedor merece. Com muito prazer e alegria, vou apresentar o Rafael Dudamel, que será o treinador do Atlético Mineiro por no mínimo dois anos. Ele pode até apresentar e falar quem são os quatro membros de sua comissão. Quero desejar a ti, Rafael, muita sorte. Que possamos fazer um trabalho com tranquilidade. Seja bem-vindo a um dos grandes clubes do mundo, que tem uma marca muito forte e que tem um dos maiores treinadores do mundo", declarou o diretor de futebol.

Em seus dois anos de contrato com o clube mineiro, Dudamel revela que se inspira no futebol colombiano para montar as suas equipes.

"Uma mescla, uma combinação. Por minha carreira como jogador, eu pude aproveitar muitos técnicos, sofri gols do Brasil, mas não quero recordar. Com a posição de goleiro, aprendi muito com os meus treinadores, colombianos, venezuelanos, argentinos, ioguslávos. Quando decidi deixar o futebol para começar a carreira de técnico, todas as experiências vividas são boas, mas tenho que definir uma linha. O exemplo tático é colombiano, com Maturana, Gomez. Uma escola que deu resultado ao futebol colombiano", comentou.

"A intensidade, o trabalho permanente de campo e o profissionalismo são europeus. Quando eu jogava futebol, não tínhamos muitos costumes profissionais. Trabalhando com europeus, entendi que a disciplina é a base de tudo. É o primeiro fundamento, valor que um atleta deve ter. É uma combinação, não há uma identididade própria", acrescentou.

Rafael Dudamel explica também como pretende montar o time do Galo. A intenção é ter um grupo com atletas jovens. Ele exalta a experiência destes jogadores.

"Os jogadores de experiência não têm que ter obrigatoriamente 30, 35 anos. Hoje, no futebol moderno, há muitas competições, e um jogador de 23 anos, de 25 anos já tem experiência. Um jogador de 20, 23 anos já pôde dar uma volta olímpica ou celebrar um campeonato. Não confudamos que um jogador jovem não tem experiência. Os jovens que vierem ao Atlético têm experiência. Que sigam crescendo com boa proteção", concluiu.

Confira outros trechos da coletiva de Dudamel:

Saída da Venezuela: "Nenhuma saída, nenhum término e finalização de contrato de treinadores são fáceis. Sempre há uma dificuldade para finalizar um contrato, seja por relação com os dirigentes ou por um mau resultado. Poucos treinadores terminam um ciclo de maneira tranquilo. O término do ciclo na seleção venezuelana não foi como eu gostaria, como eu queria, mas senti e entendi que havia uma ruptura com os dirigentes, na comunicação e no respeito. Isso não me permitia continuar na seleção, não havia tranquilidade para trabalhar. Recebi a chamada do Atlético com muita alegria e satisfação. Comecei a escutar, logo podemos nos conhecer pessoalmente. Senti valor, senti respeito ao ser humano e ao profissional".

Instabilidade no Brasil: "Os treinadores vivem com malas atrás das portas. Espero que não seja nosso caso, viemos com muito otimismo, muito sonho. E que fique dois, três, quatro anos com muitas satisfações e deixando sempre as portas abertas".

Trabalho com a base: "Vamos observar permanetemente o trabalho dos mais jovens. Eles terão espaço no time profissional, mas eles têm que ter mérito para chegar ao time profissional. Os jovens chegam fácil ao profissional e ganham muito dinheiro, mas a formação não é correto. O futebolista do Atlético tem que sair vendido à Europa ou a outros países com uma formação completa para que não tenha que voltar. Ele tem que sair e triunfar. Vamos tê-los próximos para conhecê-los e para trabalhar com os grandes. Os jovens têm que trabalhar o triplo do consagrado. Ele tem que sonhar todos os dias em chegar à primeira equipe".

Reforços: "Conversamos com Rui [Costa] de alguns nomes e de algumas posições pontuais. Não queremos dar nomes, porque não queremos abrir as negociações. Para a construção da equipe, o mais importante é a paciência, a tranquilidade para buscar o lugar".

Treinadores brasileiros: "É uma falta de respeito da minha parte, respeitando a opinião de outros treinadores, mas é uma falta de respeito dizer que os brasileiros estão ultrapassados. O Brasil tem o melhor futebol do mundo. Todo o tempo temos que nos atualizar, crescendo. A chegada de técnicos estrangeiros não significa que técnicos brasileiros estejam atrasados. O técnico brasileiro ganharam quantas Copas do Mundo? Muitas Copas foram vencidas, na seleção, nos clubes. Não há o que duvidar. Temos que tomar a chegada de novos treinadores estrangeiros como competência. É algo sempre bom".

Pressão no Atlético-MG: "O futebol do Brasil gera uma experiência diferente. Os jogadores, treinadores de alta competência vivem todos os dias com a pressão da excelência. O treinador que não aceita viver sob pressão não pode ser um treinador top. Nosso habitat natural é esse. Quando estamos em casa, um mês de férias, uma semana, e minha esposa me manda embora. É uma loucura, já penso sobre futebol. Minha esposa me diz: "vá trabalhar". Vivemos todos os dias com pensamentos, ideias... Minha mensagem para os seguidores do Atlético é que Dudamel veio ao Atlético querendo ganhar. O tempo para alcançar os triunfos não podem ser o tempo dos torcedores. O tempo tem que vir pela razão e não pela emoção. O jogador tem que demonstrar o maior desejo de triunfar. Senão, pode ir para outro lugar. Se não estiver acostumado com a exigência de um grande clube, terá a porta aberta para ir para outro lugar".

Atlético-MG