PUBLICIDADE
Topo

Futebol


'Legado de Coelho' no Corinthians deixa lista de negociáveis mais enxuta

Técnico interino Dyego Coelho e o auxiliar técnico Mauro da Silva em treinamento do Corinthians no CT Joaquim Grava - Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Técnico interino Dyego Coelho e o auxiliar técnico Mauro da Silva em treinamento do Corinthians no CT Joaquim Grava Imagem: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo (SP)

06/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Gustagol e Boselli marcaram juntos cinco gols em sete jogos de Coelho
  • A dupla não estava garantida em 2020. Um queria sair e outro poderia ser 'moeda de troca'
  • Janderson, Ramiro, Carlos Augusto e Junior Urso também foram recuperados
  • Urso foi beneficiado por esquema mais ofensivo e marcou dois gols com Coelho
  • Pedrinho não estava mal, mas melhor com Coelho atuando como meia centralizado

O técnico interino Dyego Coelho encerra sua breve participação no comando do time principal do Corinthians contra o Fluminense, neste domingo, às 16h (de Brasília), na Arena de Itaquera, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Entretanto, Coelho deixou um "legado" para Tiago Nunes, que assume o time em janeiro. Além da classificação para a Copa Libertadores da América, o interino recuperou alguns jogadores e, por isso, diminuiu a lista de atletas negociáveis para 2020.

Gustagol, autor do gol da classificação para Libertadores, é um deles. O camisa 19 teve início de ano avassalador, mas perdeu espaço após sofrer lesão. Fábio Carille, técnico demitido, apostava em Vagner Love no comando do ataque e preteria tanto Gustavo como Mauro Boselli.

Coelho, por sua vez, priorizou exatamente Gustagol e Boselli na função de centroavante. Em sete jogos com o interino no comando, a dupla marcou cinco gols. O argentino fez três, enquanto Gustavo marcou dois. Os dois 'camisa 9' não estavam garantidos em 2020 antes da rápida 'era Coelho'.

Gustagol, de canto, tinha tudo para servir de 'moeda de troca' para reforçar o time em 2020. Já Boselli cogitava deixar o clube paulista alegando que o sistema de jogo de Fábio Carille atrapalhava o seu futebol. O argentino, inclusive, expôs em entrevista coletiva que a "bola não chegava" para ele no ataque.

Além dos centroavantes, outros atletas ganharam espaço com Coelho e aproveitaram a chance: casos de Janderson, Ramiro e Carlos Augusto. O primeiro, aliás, se destacou na partida contra o Ceará com diversas jogadas de habilidade e arrancou elogios do técnico que agora volta ao time sub-20.

Junior Urso foi outro jogador que foi recuperado pela comissão técnica de Dyego Coelho. O camisa 11 vivia má fase com Carille e foi um dos destaques no time do interino. Aliás, Urso marcou dois gols sob o comando de Coelho. O atleta não esconde que o esquema mais ofensivo nos últimos sete jogos foi preponderante para a sua evolução.

O meia Pedrinho também pode ser incluído na lista de 'recuperados de Coelho'. Ele não vivia má fase, mas rendeu muito mais atuando em sua posição de origem: meia centralizado. Carille insistia que o jogador só poderia atuar aberto na direita. Com Coelho, o camisa 38 jogou centralizado e do lado esquerdo, e se destacou comandando a armação do time, inclusive, com direito a assistências para gol.

Futebol