Topo

Flu x Bahia tem duelo de Marcão e Roger, únicos técnicos negros da Série A

Ídolos do Fluminense, Marcão e Roger são os dois únicos técnicos negros da Série A - Montagem/UOL
Ídolos do Fluminense, Marcão e Roger são os dois únicos técnicos negros da Série A Imagem: Montagem/UOL

Do UOL, no Rio de Janeiro

12/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Técnicos de Fluminense e Bahia jogaram juntos em 2006 no time carioca
  • Marcão pede que treinadores negros sejam analisado apenas pela capacidade técnica
  • Roger diz que sonhava em ser médico, mas não se identificava ao ver na TV apenas médicos brancos
  • Treinadores entrarão em campo com a camisa do Observatório da Discriminação Racial no Futebol

Dois ídolos e ex-companheiros de Fluminense se reencontrarão na noite de hoje (12), às 19h, no Maracanã. O jogo entre o Tricolor e o Bahia, pela 25ª rodada, é pano de fundo de um duelo muito mais representativo. Marcão e Roger Machado atuaram juntos nas Laranjeiras em 2006, e atualmente são os dois únicos técnicos negros entre todos os 20 times na Série A do Campeonato Brasileiro.

Com 397 jogos com a camisa tricolor, o atual técnico do Flu sabe da importância do confronto. Para além dos três pontos e da admiração ao comandante adversário, Marcão vê no jogo um marco para que outros profissionais negros recebam a chance que apenas os dois possuem na elite do futebol brasileiro.

"Acho que isso é um marco, estar eu com o Roger nesse momento e, espero que seja uma tendência daqui para a frente. Torcemos por isso. O Fluminense, um clube pioneiro, como sempre, já se utilizou de profissionais da minha cor para isso. Sempre foi visando a capacidade técnica, como deve ser. Eu não estou pedindo aqui que tenha só negros no comando dos times de Série A ou B, eu peço apenas que deem chance para os capacitados. Nada mais que isso", opinou, em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

AP Photo/Carlo Magno
Imagem: AP Photo/Carlo Magno

Diferente de Marcão, que inicia na profissão, Roger tem carreira de destaque como treinador no futebol nacional. Após grande trabalho no Grêmio, passou pelo Palmeiras - que acabaria campeão brasileiro em 2018 - antes de chegar ao Bahia. No clube, alinhado com bandeiras progressistas, ele tem liberdade para opinar sobre o assunto. O técnico acredita que o futebol segue o exemplo da desigualdade racial na sociedade.

"Esse meu lugar na elite do futebol brasileiro já é um lugar de resistência. Permanecer aqui é uma posição de protesto para que outros possam se enxergar possíveis treinadores de futebol. Quando eu era pequeno, sonhava em ser médico, mas eu não me reconhecia quando via na televisão os indivíduos que eram médicos porque todos eram brancos. Eu passei a olhar para o jogador de futebol como referência de sucesso, o cantor, porque me reconhecia naquele personagem. Infelizmente a criança pobre, que convive com o tráfico, vai se reconhecer no traficante como referência de sucesso. É o que está na realidade dela", afirmou Roger ao Jornal Correio, da Bahia.

Pelo Fluminense, Roger fez 123 jogos oficiais e marcou dez vezes. Um deles muito especial: encerrou uma fila de 23 anos sem títulos nacionais do Tricolor, na conquista da Copa do Brasil de 2007. Já treinador, esteve no radar e chegou a receber sondagens do Tricolor em 2016, quando Pedro Abad foi eleito e lhe colocou como nome preferido para assumir o clube, e no início de 2019, quando o clube das Laranjeiras acabou apostando em Fernando Diniz. O carinho entre ele e o Fluminense é mútuo.

"Criar e fomentar a autoestima do indivíduo como referência para onde ele vai olhar é o princípio de tudo, e isso é educação. Foram mais de 10 milhões de indivíduos escravizados. Isso é uma dívida do Estado brasileiro. Ninguém é culpado, mas todos nós somos responsáveis para que isso seja resolvido. É triste saber que o racismo no Brasil ainda é forte e, na maioria das vezes, velado", opinou.

Acervo Flu-Memória
Imagem: Acervo Flu-Memória

Agora efetivado no comando da equipe, Marcão espera que o reencontro com o amigo abra espaço para outros treinadores negros na primeira divisão.

"Nunca sofri de forma direta o preconceito pela minha cor, mas membros da minha família já. É duro. Estar numa posição como a nossa, significa que vencemos barreiras e nos preparamos para estar aqui. Não se trata de falar sobre preconceito com os outros que não estão no mesmo momento, mas sim de falar que é possível ter mais profissionais na categoria. Será que outros profissionais assim como o Roger, eu... não são capacitados? Você pega um Cristóvão Borges, Jair Ventura, Hemerson Maria, Sergio Soares, eles não são capacitados? O que eles têm de diferente dos demais treinadores? Isso é para ser questionado".

No jogo, os técnicos das duas equipes entrarão em campo com a camisa do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, que promoveu a ação em conjunto com o clube.

FLUMINENSE X BAHIA

Local: estádio do Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 12 de outubro de 2019 (sábado)
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (CBF-SC)
Assistentes: Henrique Neu Ribeiro (CBF-SC) e Alex dos Santos (CBF-SC)
Árbitro de vídeo: Rafael Traci (CBF-SC)

Fluminense: Muriel; Gilberto, Nino, Digão e Orinho; Airton, Daniel e Nenê; Wellington Nem, Yony González e João Pedro. Técnico: Marcão.

Bahia: Douglas; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Giovanni; Gregore, Flávio e Ronaldo (Guerra); Élber, Arthur Caíke (Lucca) e Gilberto. Técnico: Roger Machado.

Fluminense